Resenha: Um Casamento Americano

Resenha: Um Casamento Americano


 

Autora: Tayari Jones 

Ano de publicação: 2018

Gênero: Romance, Ficção e Drama.

   O personagem principal deste livro chama-se Roy, um jovem negro de humilde simples, com seus trinta e poucos anos, e que batalhou sua vida praticamente inteira a fim de mudar sua vida para melhor. Em Atlanta (na Geórgia), lugar onde escolheu para alcançar seus objetivos, Roy conhece e se casa, após um tempo, com Celestial — uma mulher negra, norte-americana, e que tinha uma vida muito diferente de Roy, pois era proveniente de uma família rica com pais muito intelectuais… No entanto, após um ano e meio de casamento, em uma viagem à Luisiana, ele foi acusado injustamente por um crime: um estupro de uma mulher. Por esse crime, ele foi acusado e condenado a ficar preso por 12 anos, mesmo Celestial testemunhando a seu favor, pois na hora do crime ele se encontrava com ela.

   Diante desse acontecimento, é perceptível como essa prisão é refletida não só na vida do casal, que se encontrava casados há pouco tempo, mas também na vida de todos ligados a eles. Esse é um livro sobre personagens precisando encontrar uma nova forma de viver quando o impensável aconteceu com elas, mas é também um retrato do racismo nos EUA — o que não é muito diferente de outros lugares do mundo.

   Comentei que o personagem principal é o Roy, mas Celestial e Andre também são protagonistas, sendo esta narrativa intercalada entre os pontos de vista dos três. No caso do André, que ainda não havia comentado sobre, ele era amigo do casal e que, por ser fora do relacionamento, é utilizado para dar mais detalhes e outro ponto de vista.

   Após uns cinco anos preso, a prisão de Roy foi anulada e então ele precisou encarar tudo o que havia acontecido naquele tempo. Em minha perspectiva achei bem interessante ter conhecimento das três compreensões do que aconteceu enquanto ele ficou preso e depois de sua soltura. Isso fazia criar mais empatia pelos personagens, mesmo não gostando de todos ao longo de toda narrativa, visto que a autora conseguiu deixá-los, de certa forma, bem reais. Refiro-me a empatia, pois eu nunca saberia como é um homem negro ser preso injustamente em uma prisão no Sul dos Estados Unidos e como as pessoas passam por isso também.

   Portanto, recomendo bastante a leitura deste livro, mesmo sendo um livro de fortes emoções. Mas por ser muito bem escrito ele cativa o leito e faz com que permaneça na leitura até o final, ficando sempre curioso com o que vai acontecer. Acredito que mesmo a autora não tendo focado no crime em si, o que a fez se concentrar mais nas questões psicológicas, trouxe uma visão forte e real: o fato de que uma injustiça criminal contra uma pessoa afetará não apenas ela, mas sim muitas outras.

   Ps: após pesquisar um pouco mais sobre o contexto em que foi escrito este livro, descobri também que é um livro que já foi recomendado por Barack Obama e Oprah. Então se minha recomendação não bastar, pensem sobre essas outras…

Resenha por: Matheus Vieira Camargo Ramos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *