Resenha: Extraordinário

Resenha: Extraordinário


Autora: Raquel Jaramillo Palacio.

Ano de publicação: 2012.

Gênero: Literatura infantil.

   Antes de você pensar em julgar este livro pela capa, por parecer infantil ou algo do tipo, quero lhe adiantar que a história trazida com o livro é de grande importância para mudarmos a concepção de como tratamos as pessoas ao nosso redor e de como lidarmos em determinadas situações.

   O livro Extraordinário conta a história de Auggie, um menino de 10 anos de idade que nasceu com uma deformidade genética no rosto. Ele passou por quase 30 cirurgias ao longo desses anos, o que dificultava seu ingresso na escola para estudar. Sendo assim, sua mãe havia decidido ser sua professora particular, mesmo não tendo formação; além de terem receio de ele sofrer preconceitos das outras pessoas devido à sua aparência. É importante pontuar, também, que essa história é narrada através de vários pontos de vista, sendo o principal o de  Auggie, o que nos faz ser mais humanos, nos colocando em seus lugares.

   Quando a doença de Auggie dá uma estabilizada aos seus 10 anos de idade, onde perceberam que ele não iria precisar de cirurgias por um certo tempo, seus pais acreditam  ser a hora dele ir à escola estudar, uma vez, também, que sua mãe não iria conseguir ensinar tudo que ele necessita aprender. Entretanto, a fim de que ele concordasse, seus pais demonstraram mais uma vez apoiá-lo, deixando claro que ele poderia desistir a qualquer momento, caso não sentisse confortável. E a partir desse momento que vai deixando o livro cada vez mais instigante, pois, ele não só aceita ir à escola, como passa por dificuldades (como preconceitos e bullying), e não desiste.

   Desde o início ele mostra que ele é um garoto comum e é isso que ele quer mostrar para as outras pessoas. Diversos comentários narrados por ele mexeu comigo e acredito que mexerão contigo também, como este: “É como aquelas pessoas que às vezes você vê e não consegue imaginar como seria estar no lugar delas, seja alguém em uma cadeira de rodas, ou alguém que não pode falar. Eu sei que sou essa pessoa para os outros. Para mim, porém, sou apenas eu. Um garoto comum.

   Toda essa história é contada como uma escrita simples, mas acredito que todos irão se identificar com o texto, por terem vivido ou vivenciado algo parecido. Por ser “diferente” das outras pessoas, seja por sua aparência física, gostos; por querer ser aceito por aquilo que é… Este livro quer mostrar, também, que precisamos ser gentis, tolerante… humanos! E para terminar esta resenha vai mais uma frase dita por Auggie:

“Toda pessoa deveria ser aplaudida de pé pelo menos uma vez na vida, porque todos nós vencemos o mundo.”

Autor da resenha: Matheus Vieira.

3 Comentários

  • Uma resenha simples, mas que serve para aqueles que procuram uma opinião sobre a obra! Entretanto, devo pontuar que existem diversos desvios gramaticais, o que tira toda a aspiração de uma opinião de autoridade. Para exemplificar, temos: no 3° parágrafo a palavra “sintisse” sendo a correta “sentisse”; 3° parágrafo a palavra “desisti” sendo a correta “desiste”; 4° parágrafo ” Diversos comentários narrados por ele mexeu comigo e acredito que mexerá contigo também” ocorre erro no tempo verbal, tendo em vista que “Diversos comentários” está no plural, ou seja, a frase correta seria ” Diversos comentários narrados por ele mexeram comigo e acredito que mexerão contigo também”. Não sou professor de gramática, apenas com uma simples leitura, captei diversos erros! Não é objetivo desse comentário desmotivar o site, muito menos o autor, o meu objetivo é exclusivo de ver a melhora das pessoas a partir de apontar seus erros. Obrigado pela atenção.

    Victor Bertolini de Sousa Responder
    • Agradeço o comentário, os erros já foram corrigidos. Agora os textos estão sendo revisados para serem publicados e nós do GPET – Física que agradecemos a sua atenção.

      Vinicius Andrade de Oliveira Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *