Efeito Maré: A Lua influencia os mares?

Efeito Maré: A Lua influencia os mares?


   Se você já passou um dia na praia, provavelmente deve ter notado o movimento que o mar realiza de subir e descer, e com isso deve ter se perguntado o porquê deste “vai e vem”. Este fenômeno é denominado de Efeito Maré, mais popularmente conhecido simplesmente como maré [1].

   O principal responsável por esse efeito é o nosso satélite natural, que orbita acima de nossas cabecinhas, a Lua. Mas o que esse corpo celeste tão distante de nós tem a ver com as marés?  

   Bem, primeiramente vamos conhecer um pouco sobre a nossa querida Lua e seus mistérios, já que ela é o corpo celeste mais próximo de nós (Terra). Apesar de existirem diversas teorias sobre sua formação, a origem dela ainda é incerta, porém sua presença quase constante despertou a curiosidade de muitos durante séculos, o que da a ela um ar místico, responsável por instigar a criação de diversos mitos e histórias a seu respeito [2,3]. Por estar a uma distância relativamente pequena da Terra (notem o relativamente), ela se torna um dos corpos mais influentes em nosso planeta. Além de ser responsável pelas marés, está relacionada também com os eclipses, mas este é assunto de outro blog aqui no nosso site, que você pode ler clicando aqui [4].

   O planeta Terra exerce uma força de atração sobre todos os objetos que estão sobre sua superfície, e essa força consegue se estender até a Lua.  Em seus estudos, o físico Isaac Newton (1879-1955) supôs a existência dessa força de atração, e que esta seria universal entre os corpos, em qualquer parte do universo; mais tarde essa hipótese de Newton acabou sendo chamada Lei da Atração Gravitacional Universal. Essa lei nos diz que todos os corpos do universo se atraem mutuamente, com uma força proporcional ao produto de suas massas e inversamente proporcional ao quadrado de sua distância [5].

   A força gravitacional de atração entre os corpos, é uma grandeza vetorial, ou seja, possui módulo, direção e sentido. Newton também propôs em seus estudos que toda ação gera uma reação (conhecida como a 3ª Lei de Newton); firmados nessa questão, é possível notar que a atração entre os corpos deve ser correspondente para que haja um equilíbrio entre estes [3,5]

   Assim, as marés surgem decorrentes dessa atração gravitacional que a Lua exerce nas águas dos oceanos, e, em uma menor escala, da atração gravitacional o Sol exerce sobre os oceanos; sabendo também que a Terra atrai a Lua, a Lua igualmente atrai a Terra, com mesma intensidade, mesma direção, porém com sentidos opostos [2,3].

    Esse fenômeno não se estende apenas aos mares e oceanos, é possível observá-lo em todas as superfícies de água na Terra, mesmo que este seja menos evidente em superfícies de menor escala, como em lagos e rios, por exemplo. 

   Outro fato curioso sobre o efeito maré é que dependendo da posição do Sol e da Lua, em relação à Terra, as marés terão diferentes comportamentos. Caso o Sol, Lua e a Terra estejam alinhados, a soma das forças gravitacionais se multiplicarão e então a maré alta acontecerá. No entanto, quando a Terra, Lua e o Sol formam um ângulo reto, as forças gravitacionais se neutralizarão e como resultado obtém-se a maré baixa.

   Para te deixar um pouco mais intrigado, lá vai mais um fato curioso: a própria rotação da terra também influencia na hora e no local onde as marés acontecem. Gostou do texto? Então deixe um like aqui embaixo e fique ligadinho que todo mês tem assunto novo em nosso blog. 

Texto por: Lorraine G. Fiuza J.

Referências

[1] LOPES, Marinho. Efeito de Maré. Sophia of Nature, [S. l.], 12 maio 2012. Disponível em: https://sophiaofnature.wordpress.com/2012/05/12/efeito-de-mare/. Acesso em: 26 out. 2020.

[2] MARÉS. Portal São Francisco, [S. l.], [S.d] Disponível em: https://www.portalsaofrancisco.com.br/geografia/mares. Acesso em: 26 out. 2020.

[3] MANTELLATTO, Paulo Meira Bonfim. As Influências da Lua na Terra e o Fenômeno das Marés. 2012. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Matemática) – UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS, [S. l.], 2012. Disponível em: https://www.dm.ufscar.br/dm/index.php/component/attachments/download/19. Acesso em: 26 out. 2020.

[4] FABIANI, Mariana Gabriela. Eclipse Solar. G PET FÍSICA UNICENTRO, [S. l.], p. 1, 21 mar. 2017. Disponível em: https://www3.unicentro.br/petfisica/2017/03/21/eclipse-solar/. Acesso em: 26 out. 2020.

[5] HALLIDAY, D.; RESNICK, R. Fundamentos de Física. LTC, Rio de Janeiro, vol. 2, 9a. Ed. 2010.

1 comentário

Deixe uma resposta para Sandry Myrria da Rocha Cancelar resposta

  • Certo há uma força gravitacional, mas, como essa força gravitacional é exercida, sabemos que a gravidade é um campo magnético e de que forma esse magnetismo se manifesta na água ? Falando, logicamente, em escala planetária.

    Sandry Myrria da Rocha Responder

Deixe um comentário para Sandry Myrria da Rocha Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *