Resenha: Veronika decide morrer

Resenha: Veronika decide morrer


Autor: Paulo Coelho.

Ano de Publicação: 1998.

Gênero: Ficção, Drama, Romance.

   Paulo Coelho é um escritor com livros no ranking dos mais traduzidos no mundo, sendo conhecido em diversos países. Em “Veronika Decide Morrer”, o autor trata de assuntos que podem ser capazes de mexer com os sentimentos alheios, porém de maneira bastante sensível.

   O livro trata da emocionante história de uma mulher eslovena chamada Veronika de 24 anos que, assim como o título nos conta, decide tirar a própria vida. Para os que a conheciam, ela era dona de uma vida perfeita, tendo pais que a amavam, dona do seu próprio nariz, bem afeiçoada e possuindo vários pretendentes. Mas para Veronika nada disso importava, pois ela se sentia vazia. A vida que tinha não era o suficiente para que ela fosse feliz, não encontrando sentido em viver. 

   Dessa maneira, em seu apartamento alugado em um convento, decidiu que deveria dar fim a sua vida ali mesmo. Em um dia frio e com neve, Veronika reúne os vários remédios que decidira tomar e assim o faz. Entre o tempo de efeito dos remédios e a morte, ainda tinha muito o que pensar, pra onde iria após a morte? O que aconteceria com seus pais? Até mesmo se perguntou se deveria mesmo estar fazendo aquilo, mas não tinha mais volta, já havia tomado remédios demais e, então, veio uma grande escuridão e silêncio, o seu fim estava chegando.

   De repente, Veronika vê uma luz, muito brilhante, e questionou-se se era a luz que todos diziam que existia. Então, ouve uma voz chamando-a, era um médico. A bela jovem não havia morrido, estava em um hospital psiquiátrico. As freiras que lhe alugaram o apartamento a viram inconsciente e então Veronika foi salva a tempo.

   Em Vilette, Clínica psiquiátrica em que estava internada, a protagonista descobre que apesar de ter sobrevivido à tentativa de suicídio, seu organismo estava seriamente debilitado devido à quantidade exorbitante de comprimidos que havia tomado, dessa forma poucos dias de vida lhe restavam. Ela estava fadada à morte, mas não como planejado, poderia morrer em 7, 15, 30 dias ou mais, não sabia ao certo.

   Enquanto esperava a morte chegar, ela deveria passar seus últimos dias na clínica. É nesse momento em que o autor nos apresenta os demais personagens presentes nesse hospital, com os quais Veronika se relaciona emocionalmente, fazendo com que não desejasse mais a morte. Será tarde demais para Veronika?

   Temas como doenças mentais, são tratados através de cada personagem apresentado em Vilette e, eles se relacionam de maneiras diferentes de acordo com o leitor, podendo fazer questionar-se até sua própria sanidade. Ao fim da leitura, que ocorre de maneira fácil e sem muitos percalços, o leitor consegue refletir sobre o que o livro realmente se trata, a vida e a importância de se estar vivo. Outro ensinamento que esse livro traz é que de louco todo mundo tem um pouco.  

   Apesar dos temas um pouco densos, a maneira com que a história é contada é leve, os personagens são bem cativantes e a vontade de saber como será o desfecho de Veronika é quase impossível de resistir.

Autor da resenha: Rafael Welter.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *