Alice Augusta Ball (1892 – 1916)

Alice Augusta Ball (1892 – 1916)


   Alice Augusta Ball, química afro-americana, foi desenvolvedora de um extrato de óleo injetável, feito a partir do óleo de Chaulmoogra, que era utilizado no tratamento da Hanseníase (comumente denominada Lepra). 

   Nascida em 24 de junho de 1892, em Seattle, Washington. Quando jovem, Alice frequentou a Seattle High School, formando-se em 1910. Ball estudou Química na University of Washington e durante seu curso, obteve também um diploma de bacharel em Química Farmacêutica (1912) e outro em Farmácia (1914). Foi durante sua instrução em Farmácia que Alice Ball juntamente a William M. Dehn, publicou um artigo denominado “Benzoylations in Ether Solution“, que explica sobre reações de benzoilação em soluções de Éter.

   Ao finalizar a graduação, Ball recebeu propostas de frequentar o mestrado na University of Hawai, ela aceitou a posposta, indo para o Havaí realizar seu mestrado em Química. As pesquisas que foram desenvolvidas por Ball durante seu mestrado tratavam sobre composição química e princípios ativos das raízes de Kava (Piper methysticum).

   Além de trabalhar com as raízes de Kava, foi na Universidade do Havaí onde Alice iniciou seus estudos relacionados ao óleo de Chaulmoogra e suas propriedades. O óleo já antes utilizado no tratamento da Hanseníase não era aceito corretamente pelo organismo pois não era solúvel em água. Pesquisando maneiras novas de utilizar o óleo, a cientista revolucionou com estudos da composição do óleo e sobre a esterificação de seus ácidos graxos, obtendo uma solução solúvel e injetável. 

   Alice Ball morreu ainda jovem, em 1916 aos 24 anos, a causa da morte é desconhecida, mas supõem que seria um acidente de trabalho em uma aula pratica, na qual Alice inalou gás cloro. Após sua morte, sua pesquisa sobre o óleo de Chaulmoogra foi continuada pelo químico Arthur Lyman Dean, que apesar de usar as pesquisas desenvolvidas por Ball, não deu créditos a ela pelo trabalho. Por esses motivos o mérito de Ball acabou sendo esquecido durante décadas, sendo resgatado apenas em 1970 pelas pesquisadoras Kathryn Takara e Stanley Ali.

Texto por: Mariana Carachinski.

 

Referências:  

“Alice Ball, pioneira no tratamento da hanseníase”, El país. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2018/03/02/ciencia/1520007783_804680.html. Acessado no dia: 13/01/2020;

“History of Scientific Women, Alice Ball”. Disponível em: https://scientificwomen.net/women/ball-alice-121. Acessado no dia: 13/01/2020;

“O Apagamento da Contribuição Feminina e Negra na Ciência: Reflexões sobre a Trajetória de Alice Ball”. Disponível em: https://periodicos.utfpr.edu.br/cgt/article/view/9346. Acessado no dia: 13/01/2020.

   

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *