Os impactos na saúde mental causados pelo novo coronavírus

Os impactos na saúde mental causados pelo novo coronavírus


   A pandemia provocada pela doença COVID-19 (causada pelo vírus SARS-COV-2), presenciada pela população mundial, é considerada a maior emergência de saúde pública enfrentada em décadas. Conforme ocorre a disseminação desse vírus nas diferentes regiões do mundo, inclusive no Brasil, políticas de saúde pública acentuam a necessidade de isolamento das pessoas, com forte envolvimento em ações de prevenção à contaminação. Além dos cuidados com respeito à saúde física, traz também apreensões quanto ao sofrimento psicológico que pode ser sentido pelas pessoas de modo geral e pelos profissionais da saúde envolvidos [1 – 3].

   O número crescente de mortes causadas pela COVID-19 está causando medo nas pessoas, o que é compreensível, pois é consistente com o momento em que estamos. No entanto, segundo a Jocelaine Silveira, professora de Psicologia da Universidade Federal do Paraná (UFPR), o problema se encontra quando o medo se torna intenso. Isto é, quando as pessoas ficam desesperadas com a ideia de morrer, perder familiares e amigos, de ficar sem trabalho e não ter dinheiro para sobreviver, entre outros. Esses casos devem ser interpretados como um sinal de alerta, ao passo que podem originar ou agravar doenças psíquicas [4].

   Se você está pensando que não existem estudos sobre isso, você está errado. Vários artigos que dizem respeito aos impactos na saúde mental provocados pelo medo já foram publicados, inclusive por pesquisadores brasileiros. Segundo o artigo Pandemic fear” and COVID-19: mental health burden and strategies, produzido por brasileiros e publicado na Brazilian Journal of Psychiatry, mostra que o relatado por Silveira é verídico. Nesse estudo diz ainda que o índice de distúrbios psicológicos que as pessoas desenvolvem tendem a ser maiores quando comparados às que são afetadas pelo processo contagioso [4,5]. “É possível que estas condições possam evoluir para transtornos psiquiátricos depressivos, ansiosos (incluindo crises de pânico e estresse pós-traumático), psicóticos e paranoides e até suicídio” [5].

   De acordo com uma pesquisa da Kaiser Family Foundation, apenas nos Estados Unidos o vírus afetou a saúde mental de metade da população. Conforme, ainda, a Sonya Lott, psicóloga da Filadélfia especializada em lidar com o luto: “As pessoas estão experimentando níveis muito altos de ansiedade… É o medo do desconhecido, pois nunca tivemos uma situação como essa antes” [6].

   Talvez você esteja pensando que então escrevi isso com o objetivo de deixar você com mais medo do que já está; mas é totalmente o contrário! Este blog é para mostrar a você que está tendo alguns desses sintomas ou percebendo-os em alguma pessoa próxima, que estes podem ser um sinal de alerta. É para você pensar, também, que este momento é realmente difícil, então não se cobre muito caso não esteja conseguindo render o que gostaria, com relação a estudos, trabalhos ou projetos pessoais, por exemplo. É normal não estar no seu melhor ou sentir-se desestimulado, até porque somos humanos e não máquinas. Por isso, tente dar o melhor que você conseguir, priorizando sua saúde mental.

   Outras formas para ajudar, caso não esteja se sentindo psicologicamente bem, é continuar mantendo contato com seus amigos e familiares (mesmo que distante), utilizando, para isso, os meios de comunicação. Dessa forma você estará ajudando tanto a você quanto a eles que também podem estar sofrendo calados; tente conversar sobre isso com alguém também. Caso perceba que os sintomas estão piorando, procure ajuda médica (existem médicos que atuam nessas áreas, estando aptos a realizarem atendimentos por chamada de vídeo ou ligações comuns, a fim de manter ao máximo o isolamento). Cuide-se e, se puder, fique em casa!

Texto por: Matheus Vieira Camargo Ramos.

 REFERÊNCIAS:

[1] – Schmidt, B., Crepaldi, M. A., Dill, S., Bolze, A., Neiva-silva, L., & Demenech, L. M. (2020). Impacts on Mental Health and Psychological Interventions related to the New Coronavirus Pandemic (COVID-19). Revista Estudos de Psicologia (Campinas), 1–26.

[2] – LI, Wen et al. Progression of mental health services during the COVID-19 outbreak in China. International journal of biological sciences, v. 16, n. 10, p. 1732, 2020.

[3] – Barros-Delben, P., Cruz, R. M., Trevisan, K. R. R., Gai, M. J. P., Carvalho, R. V. C. de, Carlotto, P. A. C., Alves, R. B., Silvestre, D., Renner, C. D., Silva, A. G. da, & Malloy-Diniz, L. F. (2020). Saúde Mental em situação de emergência: COVID-19. Revista Debates in Psychiatry, 1–12.

[4] – Oliveira, Sibele. Medo da pandemia de covid-19 afeta a saúde emocional: como lidar melhor. Disponível em: <https://www.uol.com.br/vivabem/noticias/redacao/2020/04/01/medo-da-pandemia-de-covid-19-afeta-a-saude-emocional-como-lidar-melhor.htm?cmpid=copiaecola>

[5] – Ornell, Felipe, et al. ““Pandemic fear” and COVID-19: mental health burden and strategies.” Brazilian Journal of Psychiatry AHEAD (2020).

[6] – Autor Desconhecido. Revista eletrônica Dom total: Os brutais efeitos psicológicos da Covid-19 são comparados a um novo 11 de setembro. Disponível em: < https://domtotal.com/noticia/1434554/2020/04/os-brutais-efeitos-psicologicos-da-covid-19-sao-comparados-a-um-novo-11-de-setembro/> Acesso em 18 de maio de 2020.

[7] – Imagem retirada de: Autor desconhecido. Generalized Anxiety Disorder: Causes and Risk Factors. Disponível em: <https://uniquemindcare.com/generalized-anxiety-disorder-causes-and-risk-factors/>. Acesso em 18 de maio de 2020

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *