Resenha de: “O Símbolo Perdido”

Resenha de: “O Símbolo Perdido”

Autor: Dan Brown

Ano da edição: 1945

Gênero: Ficção

Resenha:

      Os segredos de “O Símbolo Perdido”: O guia não autorizado e definitivo de Dan Brown.

Os segredos de “O Símbolo Perdido”: O guia não autorizado e definitivo de Dan Brown procura esclarecer o que é fato e o que é ficção, os enigmas, charadas e ideias encontrados em O Símbolo Perdido, que conta a historia do professor e simbologista Robert Langdon que foi chamado por seu amigo Peter Solomon – eminente maçom e filantropo – para dar uma palestra no Capitólio em Washington, capital americana que é onde se passa a história. Ao chegar la descobre que não havia palestra e que seu amigo, Peter, estava correndo risco de vida sendo aquilo uma forma de atrai-lo ate la para iniciar uma busca por um antigo portal místico escondido há muito tempo pela Maçonaria, que tornaria possível a Apoteose( transformação do homem em Deus).

Mal’akh, o sequestrador, acredita que somente o professor Langdon seria capaz de localizar o segredo da Pirâmide Maçônica, e com isso o professor se vê forçado a colaborar com Mal’akh.

Vendo que essa é a única chance de salvar Solomon, Langdon vai aos principais pontos da capital americana: O Capitólio, a Biblioteca do Congresso, a Catedral Nacional e o Centro de Apoio dos Museus Smithsonian. Foi nesse momento que o professor recebe a ajuda de Katherine Solomon, irmã de Peter e pesquisadora de uma nova ciência, a ciência noética, que investiga o poder da mente humana sobre o mundo físico.

Nos últimos dias de verão de 2009, Dan Burstein que é considerado o maior especialista do mundo na ficção de Dan Brown, se depara com seu kindle que ganha vida, silenciosa e discretamente ao baixar a nova novela de Dan Brown, o Símbolo Perdido, que ele ja o esperava por mais de cinco anos.

Certa noite Dan Burstein se depara com O Código da Vinci e, fascinado com seu conteúdo, nao consegue mais parar de ler o livro. Ao ler a afirmação provocativa de que havia uma mulher era Maria Madalena, Dan Burstein pula da cama e começa e começa a procurar or todos os livros de arte das prateleiras de sua biblioteca para examinar o quadro. Mesmo ja tendo olhado por centenas de vezes, se surpreende ao ver que sim, parecia ser uma mulher sentada ao lado de Jesus!

Pela manha, quando terminou de ler o livro, estava se sentindo desafiado e queria saber o que era verdade e o que não era, foi entao que junto de seu parceiro Arne de Keijzer decidem decifrar o que havia por trás de O Código da Vinci.

Ao começarem esta longa jornada se deparam com vários enigmas e ao tentar irem atrás de respostas acabam percorrendo caminhos, que mesmo sem querer ou ate mesmo querendo, os levam ao conteúdo dos próximos livros de Dan Brown e entao seguem com o mesmo desafio, esclarecer os segredos por de trás de cada um, criando outros títulos para a série dos Segredos, incluindo um guia para Anjos e Demonios, que parece ser um esboço, segundo o autor para o Código da Vinci e para o qual Dan Brown cria o personagem de Robert Langdon(protagonista), um guia para o filho da viúva, onde nas orelhas da capa de O Código da Vinci haviam letras aleatórias, onde ao serem reunidas formavam a pergunta” Nao ha esperança para o filho da viúva?” que logo mais tarde eles puderam perceber que era uma mensagem codificada bastante importante na historia da maçonaria, que durante os últimos séculos, tem sido um chamado angustiado para alguém que precisa de seus irmãos maçons.

Autora da resenha: Bruna Alves

Imagem retirada de: https://www.saraiva.com.br/o-simbolo-perdido-2688621/p

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *