A Óptica no limite do possível

A Óptica no limite do possível


Nós somos seres feitos para viver fora da água, tanto que todas as partes do corpo humano estão bem-adaptadas a esse ambiente. Porém algumas pessoas da tribo Moken possuem habilidades que outros seres de nossa espécie não usufruem. [1]

Essa tribo representa um povo nômade que vive no mar, ou perto dele, na região do sudeste asiático. As crianças das tribos Moken passam boa parte de seu dia no mar, mergulhando por comida. Elas são unicamente adaptadas para este trabalho, porque elas conseguem ver debaixo d’água com enorme clareza. E isso, para eles, é especialmente útil, uma vez que mergulham para pescar e, consequentemente, se alimentar e garantir a sobrevivência de seu povo. [2]

Os pesquisadores descobriram isso analisando a visão subaquática de seis crianças da tribo Moken, comparando os resultados com a visão de 28 crianças europeias. [3]

Neste estudo, as crianças tiveram que mergulhar e colocar suas cabeças em um painel, o qual era mostrado cartões com linhas na horizontal e vertical. Então eles olhavam os cartões, voltavam a superfície dizendo a direção que as linhas estavam. E a cada mergulho as linhas iam ficando mais finas, fazendo a tarefa ficar bem mais complicada. Este estudo revelou que as crianças Moken, na pior das hipóteses, podiam ver no fundo do mar duas vezes melhor que o restante de nós. Na melhor das hipóteses, eles podiam ver tão bem, e até melhor, do que alguns peixes. A figura 1 mostra uma criança da tribo Moken enquanto mergulha.[2]

 


 

A fim de procurar entender se essas habilidades seriam por anomalia genética ou por apenas prática, realizaram outro estudo. Este foi realizado com outras crianças, onde trabalharam nos mesmos testes comentados anteriormente, entretanto com uma duração de um mês. Após este mês, perceberam que essas crianças atingiram a mesma capacidade de percepção que as crianças Moken. No entanto, diferente das crianças Moken, as outras crianças sofreram com vermelhidão nos olhos, irritados com o sal na água. [4]

Provavelmente esteja se perguntando por quê apenas comentou-se sobre as crianças. Isto porque para os estudos com os olhos dos adultos, componentes da tribo Moken, mostrou que conforme se envelhece perde-se essa especial visão por baixo da água.

Entretanto, mesmo acontecendo apenas para as crianças, os cientistas consideram mais um caso de “evolução aprendida”. Isso porque, normalmente quando os Moken mergulham, suas íris já não expandem embaixo da água, como seria natural. Elas se contraem, o que os permite ver na mesma resolução que veem em terra. [5]

Em outras palavras, é como se eles decidissem que queriam esses “superpoderes” e, em seguida, passaram a praticar todos os dias, até que conseguissem incorporar essa habilidade.

Texto por: Matheus Vieira.

Referências:

[1] Minilua. Visão embaixo da água. Disponível em: https://minilua.com/poder-mutacao-genetica/. Acesso em: 04 de maio de 2019.

[2] Vignoli, Thiago. “Nômades do mar” as crianças que podem ver como golfinhos. Disponível em: <https://spreadwe.love/nomades-do-mar-as-criancas-que-podem-ver-como-golfinhos/> Acesso em: 04 de maio de 2019.

[3] Autor Desconhecido. Moken, a tribo do mar que enxerga perfeitamente embaixo da água. Disponível em: <https://opticanet.com.br/secaodesktop/oculosecultura/8250/moken-a-tribo-do-mar-que-enxerga-perfeitamente-embaixo-da-agua> Acesso em: 04 de maio de 2019.

[4] Survival International. “The ocean is our universe”. Disponível em: <https://www.survivalinternational.org/galleries/moken-sea-gypsies> Acesso em: 04 de maio de 2019.

[5] Autor Desconhecido. A extraordinária história dos Moken, a tribo que pode ver sob a água como os golfinhos. Disponível em: <https://www.mdig.com.br/index.php?itemid=43954> Acesso em: 04 de maio de 2019.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *