LINHA ESPAÇOS DE PRÁTICAS E RELAÇÕES DE PODER
ANA MARIA RUFINO GILLIESrufinogillies@gmail.com

Área de atuação:  relações entre escravidão e imigração; presença britânica no Brasil; cotidiano, sociabilidades, práticas culturais; memória, identidade, alteridade, representação e escrita de si /estudos autobiográficos; teorias de processo civilizatório; história de mulheres; a imprensa periódica, documentos/discursos oficiais/institucionais e acervos privados; relação entre história e arte.

Pesquisa: Estudos em História Cultural – Cidades, Migrações, Identidades
Descrição: O projeto particulariza a província do Paraná na segunda-metade do século XIX, podendo ampliar seu escopo espacial; utiliza como fontes primárias básicas periódicos oitocentistas disponíveis no Museu Paranaense e documentação disponível no Arquivo Público do Paraná A perspectiva teórica insere-se na linha de pesquisa ‘Cidades, migrações, identidades’, que tem como objetivo central compreender as representações e construções de identidades com base na pluralidade das culturas, linguagens, religiões e tradições. Discute vivências cotidianas de diversos grupos sociais nas localidades em que se fixaram, suas interpretações e recriações sócio-culturais. Ocupa-se também das relações de gênero, das práticas educacionais, formais ou não e da vivência nas cidades.
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Integrantes: Ana Maria Rufino Gillies – Coordenador

Grupos de Pesquisa: Cultura, Etnias, Identificações – UNICENTRO
Grupos de Pesquisa: Estudos em História Cultural – UNICENTRO
Grupos de Pesquisa: GRUPO INTERDISCIPLINAR DE PESQUISA EM ARTES – GIPA – UNESPAR

 

Currículo Lattes

ANCELMO SCHÖRNERancelmo.schorner13@gmail.com

Área de atuação: (I)migração; Cidades; Meio Ambiente; Regiões; Terras Comunais; Faxinais; Ruralidades, Territórios Periféricos e Fotografia.

Pesquisa: Os processos de desestruturação e desagregação de faxinais de Rio Azul (PR)
Descrição: Este projeto visa a elaboração de um estudo a respeito dos processos de desestruturação e desagregação dos Faxinais de Rio Azul (PR). Chama-se Faxinal a um modo de ocupação das terras, em comum, para a criação de animais, existente na região sul do Brasil, e que se tem qualificado como manifestação cultural pertencente à categoria dos povos tradicionais. Desde os anos 1970 os Faxinais do Paraná veem sofrendo um processo de desagregação, a ponto de alguns deles desaparecerem, modificando esse território, aqui entendido como mediação espacial das relações do poder em suas múltiplas escalas e dimensões. Nessa pesquisa objetivamos estudar esses processos nos Faxinais Porto Soares, Rio Azul dos Soares, Invernada, Rio Azul de Cima, São João da Palmeirinha, Faxinal São Pedro, Faxinal dos Paula, Cachoeira dos Paulistas e Braço do Potinga. Os processos de desestruturação e posterior desagregação começaram nos anos 1970 e têm comum a plantação de fumo, a chegada de migrantes, genericamente denominados de gaúchos e catarinenses, a presenças dos ?fazendeiros? e ?agricultores? (faxinalenses capitalizados), que plantam soja, pinus e eucalipto, os madeireiros e os chacareiros. Ocorreu, a partir desse conjunto, a passagem de uma sociologia das cercas, conjunto de normas de organização dentro do Faxinal e que se baseia nos princípios comunitários de direitos e de obrigações, para um regime de cercas, cujas principais características são a apropriação individual dos recursos naturais (aguadas, nascentes), a presença de um proprietário e a necessidade de ?ordens? (autorização) para andar pelas terras.
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (4) / Mestrado acadêmico: (4) .
Integrantes: Ancelmo Schörner – Coordenador / José Adilçon Campigoto – Integrante / Nicolas Floriani – Integrante.
Financiador(es): Fundação Araucária – Auxílio financeiro.

Pesquisa: Processos de desestruturação e desagregação de Faxinais no Paraná: 1970-2015.
Descrição: Este projeto visa a elaboração de um estudo a respeito dos processos de desestruturação e desagregação dos Faxinais de Rio Azul (PR). Chama-se Faxinal a um modo de ocupação das terras, em comum, para a criação de animais, existente na região sul do Brasil, e que se tem qualificado como manifestação cultural pertencente à categoria dos povos tradicionais. Desde os anos 1970 os Faxinais do Paraná veem sofrendo um processo de desestruturação e desagregação, a ponto de alguns deles desaparecerem, modificando esse território, aqui entendido como mediação espacial das relações do poder em suas múltiplas escalas e dimensões. Nessa pesquisa objetivamos estudar esses processos em faxinais do Paraná, notadamente em Rio Azul, Irati, São Mateus do Sul e Prudentópolis. De modo geral, esses processos começaram nos anos 1970 e têm comum a plantação de fumo, a chegada de migrantes, genericamente denominados de gaúchos e catarinenses, a presenças dos ?fazendeiros? e ?agricultores? (faxinalenses capitalizados), que plantam soja, pínus e eucalipto, os madeireiros, chacareiros e mineradores. Em cada faxinal essas questões podem agir sozinhas ou em conjunto. Ocorre, a partir desse conjunto, a passagem de uma sociologia das cercas, conjunto de normas de organização dentro do Faxinal e que se baseia nos princípios comunitários de direitos e de obrigações, para um regime de cercas, cujas principais características são a apropriação individual dos recursos naturais (aguadas, nascentes), a presença de um proprietário e a necessidade de ?ordens? (autorização) para andar pelas terras. Este projeto conta com alunos do Curso de História e do Programa de Pós-Graduação em História da UNICENTRO, bem como do Programa Interdisciplinar em Desenvolvimento Comunitário da UNICENTRO.
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (3) / Mestrado acadêmico: (1) .
Integrantes: Ancelmo Schörner – Coordenador / José Adilçon Campigoto – Integrante / Leonardo Kroin – Integrante / Márcia Maria Menendes Motta – Integrante / Beatriz Anselmo Olinto – Integrante / Monica Mazur – Integrante / Bárbara Luiza Cruz – Integrante / Adriano Pinto Godoi – Integrante / Raiele Kollaritsch – Integrante / Sônia Vanessa Langaro – Integrante / Angelo Altair de Oliveira – Integrante / Giselle Priscila Scheidt Martins Gartner – Integrante / Fábio Marcelo Andrade da Silva – Integrante / Mário Sérgio Deina – Integrante / Esther Kremer de Souza – Integrante.

Grupos de Pesquisa: Antropologia, Direitos Humanos e Povos Tradicionais – UFMS
Grupos de Pesquisa: Estudos em História Cultural – UNICENTRO
Grupos de Pesquisa: Laboratório de Imigração, Migração e História Ambiental – UFSC

 

Currículo Lattes

CARLOS EDUARDO FRANÇA DE OLIVEIRAcarlosoliveira@unicentro.br

Área de atuação: História do Brasil, com ênfase em História do Brasil Império e Patrimônio Cultural.

Pesquisa: O Ato e seus epílogos: as reflexões de Silvestre Pinheiro Ferreira sobre o Ato Adicional de 1834
Descrição: O projeto, inscrito no campo da história política sobre o Brasil no Oitocentos, tem com objetivo analisar as considerações do pensador e político português Silvestre Pinheiro Ferreira (1769-1846) a respeito do Ato Adicional (1834) feito à Carta Constitucional brasileira de 1824, que estão contidas na segunda edição da obra “Observações sobre a Constituição do Império do Brasil e sobre a Carta Constitucional do Reino de Portugal”, publicada em 1835. A ideia central é contribuir para o avanço na compreensão do Ato Adicional de 1834 e do liberalismo luso-brasileiro do século XIX..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Integrantes: Carlos Eduardo França de Oliveira – Coordenador.

Grupo de pesquisa: Educação Histórica: Consciência Histórica e Cultura – UNICENTRO
Grupos de Pesquisa: Núcleo de Pesquisas em História da Violência (NUHVI)

 

Currículo Lattes

GEYSO DONGLEY GERMINARI geysog@gmail.com

Área de atuação: História e Educação, com ênfase em Educação Histórica e Ensino de História, didática da história, ensino e aprendizagem, formação de professores, arquivos e ensino de história e consciência histórica e identidade.

Pesquisa: Ensino e aprendizagem de história: mapeamento de infraestrutura e das práticas com tecnologias educacionais nas escolas estaduais públicas localizadas no campo, nos municípios de Prudentópolis e Araucária.
Descrição: O presente projeto de pesquisa vincula-se à área de educação e busca analisar os processos de ensino e de aprendizagem de História a partir de práticas que se utilizam das tecnologias educacionais em escolas estaduais do campo. Os propósitos desse projeto ancoram-se no fato de que desde as últimas categorizações sócio-antropológicas sobre usuários de tecnologias, como as gerações Baby boomers, X, Y e Z, tem-se observado (e experimentado na prática) diferenças fundamentais nas estruturas e estilos cognitivos desses representantes, o que fortalece as máximas relacionadas aos usos de tecnologias como interferentes diretos nos processos de aprendizagem.
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Integrantes: Geyso Dongley Germinari – Coordenador / Pedro Leão da Costa Neto – Integrante / Claércio Ivan Schneider – Integrante / Nadia M. Guariza – Integrante / Susane Martins Lopes Garrido – Integrante / Rita de Cássia Gonçalves Pacheco dos Santos – Integrante.
Financiador(es): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – Auxílio financeiro.

Pesquisa: O Pensamento Histórico de Jovens e Crianças de Escolas da Região Centro-Oeste do Estado do Paraná
Descrição: O projeto tem como meta investigar a natureza do pensamento histórico de crianças e jovens matriculados em escolas públicas e privadas localizadas na região centro-oeste do estado do Paraná, tendo como referência o campo de pesquisa em Educação Histórica, especialmente as reflexões sobre a consciência histórica. As pesquisas e as intervenções didáticas ancoradas nos princípios da Educação Histórica têm apontado caminhos para as crianças e jovens se relacionarem com o passado por meio de reflexões orientadas pela investigação histórica. Nesse sentido, defini os processos básicos do pensamento histórico, em qualquer nível de escolaridade, tais como: a análise de causa e efeito das mudanças ao longo do tempo; a realização de inferências a partir de diferentes fontes históricas, com suportes diversos (fotografia, pinturas, documentos escritos, depoimentos orais, cultura material); a seleção de fontes para confirmação ou refutação de hipóteses e a apreensão da multiperspectividade histórica.
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (3) / Mestrado acadêmico: (2) .
Integrantes: Geyso Dongley Germinari – Coordenador.

Pesquisa: Ensinar História: Um estudo sobre as práticas de ensino e a produção de narrativas históricas por professores de História da Educação Básica. (Paraná- São Paulo – 1998 – 2014).
Descrição: O Projeto de Pesquisa: Ensinar História: Um estudo sobre as práticas de ensino de história e a produção de narrativas históricas por professores do ensino básico do Estado do Paraná. (1998- 2014) enquadra-se no domínio científico da educação histórica que pressupõe uma reflexão sobre a natureza do conhecimento histórico tendo como objetivo investigar quais os sentidos que os indivíduos atribuem a História seja ela ensinada ou vivida. Um dos objetivos do projeto é perceber quais ideias sobre a história apresentam professores do ensino fundamental e médio que atuam nos Estados do Paraná e São Paulo. Uma das questões que tem acompanhado o debate sobre a formação inicial e continuada de professores de História, no Brasil, tem sido a problemática da relação entre os saberes da ciência de referência e os saberes pertinentes à prática profissional representados pelos suportes materiais e imateriais no ambiente escolar, como o currículo, o livro didático, a pesquisa produzida sobre ensino de história e o saber do professor. A complexidade desse debate também tem sido abordado por especialistas da área do ensino de história, como, Abud (1998) Bittencourt(1998) Monteiro (2002), Zamboni & Fonseca (2008) , Fonseca (2003) e Schmidt(2004). Enfrentar essa problemática a partir de observações sistematizadas, questionários e entrevistas no campo de pesquisa em educação histórica é o objetivo principal desta investigação. A pesquisa pretende mapear as práticas de ensino em história desenvolvidas no ensino fundamental e médio no estado do Paraná e São Paulo entre os anos de 1998 e 2014 em relação a produção do conhecimento produzido no mesmo período. É uma pesquisa que busca além da observação de campo, dialogar com professores no espaço escolar sobre o conhecimento histórico desenvolvido em sala de aula, através de estudos exploratórios e entrevistas. No desenvolvimento do projeto em questão buscaremos identificar e analisar as metodologias de trabalho desenvolvidas por professores em sala de aula tendo como pressuposto que além da formação inicial e contínua, a experiência do campo de trabalho aliados as representações da realidade vivenciadas na família, na sociedade, nas mídias resultariam em suportes para o desenvolvimento do pensamento histórico e das escolhas didáticas, metodológicas e teóricas dos professores no ensino da disciplina de história na escola. Entre os teóricos que darão suporte a esta investigação podemos citar os pesquisadores Jorn Rusen, Isabel Barca, Peter Lee, Arthur Chapman, Maria Auxiliadora Schmidt. Um dos principais objetivos desta investigação é contribuir para a construção de um caminho que possa subsidiar a formação inicial e continuada dos docentes, incluindo a produção do conhecimento como inerente ao processo que toma o trabalho como princípio educativo nessa trajetória. Palavras chave- Ensino de história. Metodologia do ensino de História. Pratica do ensino de História, educação histórica.
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (2) / Mestrado acadêmico: (8) / Doutorado: (2) .
Integrantes: Geyso Dongley Germinari – Integrante / Magda Madalena Tuma – Integrante / Marlene Rosa Cainelli – Coordenador / Ronaldo Cardoso Alves – Integrante / Marcia Elisa Teté Ramos – Integrante / Marisa Noda – Integrante / Kátia Maria Abud – Integrante / Maria Cristina Dantas Pina – Integrante.
Financiador(es): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – Auxílio financeiro.

Grupos de Pesquisa: Educação Histórica: Consciência Histórica e Cultura – UNICENTRO (Líder)
Grupos de Pesquisa: GPEDUH: Grupo Pesquisador Educação Histórica – Consciência histórica e narrativas visuais – UFMT

 

Currículo Lattes

HÉLIO SOCHODOLAK sochodo@gmail.com
Credenciado em 2012

Área de atuação: investigação das práticas de poder; espaços praticados; relações conflituosas entre sujeitos (táticas e/ou estratégicas) ; macro e micro poderes políticos, práticas e saberes de variadas ordens; processos criminais no contexto do Sul do Paraná; história da violência no Paraná

Pesquisa: História da violência no Paraná – Mallet (1913-2006)
Descrição: A presente proposta pretende problematizar, a partir de uma história da violência, os discursos que construíram a região Sul do Paraná e a ocupação eslava. Para tanto possui como objetivos específicos: contribuir para concluir os trabalhos de tratamento arquivístico e disponibilização digital para a pesquisa da série Processos Crime do Judiciário de Mallet-PR no CEDOC/I; identificar as tipologias e quantificar os crimes relacionados nos processos criminais da série Processos Crime do Judiciário de Mallet-PR; aprofundar os estudos sobre o discurso paranista de um ?Brasil diferente?; realizar uma história da violência a partir dos processos criminais de Mallet-PR, cotejando os processos criminais com outras fontes a serem identificadas. Tais objetivos se inserem em um projeto maior sobre ?Cotidiano e tragicidade: para uma história da violência em processos-criminais? vinculado à linha de pesquisa do Programa de pós-graduação em História e regiões: ?Espaços de práticas e relações de poder?. Desenvolve-se, pois, no contexto das pesquisas sobre história e regiões que problematizam suas construções e vivências. Partimos da constatação de que uma fonte importante de pesquisa sobre as práticas da violência e o cotidiano são as fontes criminais, em especial os processos do judiciário que possuem dados importantes para se abordar essa questão. Existe uma série documental recentemente adquirida pelo Centro de Documentação e Memória da Unicentro de Irati-PR (CEDOC/I).). O Fundo do Judiciário de Mallet-PR que foi doado ao CEDOC no ano de 2012. O fundo é composto por aproximadamente 6 mil processos. Dentre eles se destacam os processos criminais que compõem um sexto desse fundo. Os processos criminais datam de 1913 a 2006, cobrindo um importante período da história da ocupação da região sul do Estado do Paraná. Os processos criminais representam tanto a violência legítima exercida pelo Estado através do Judiciário como aquela praticada rotineiramente. As ações relatadas e ?editadas? pelo discurso jurídico se remetem à posse das coisas e objetos, ao relacionamento interpessoal e ao relacionamento das pessoas com instituições e costumes. Além das informações manifestas nos processos existe um sem número de outras acessíveis ao historiador a partir de uma metodologia e teoria adequadas, como veremos logo adiante. Os processos da vara criminal da Comarca de Mallet referem-se a ações de pessoas desde o início do século XX, em geral imigrantes eslavos ou descendentes daqueles. A bibliografia oficial e as representações usuais sobre o Paraná desde o final do século XIX, apresentam um ?Paraná Diferente?, menos brasileiro e mais europeu, mais branco que o Brasil de Gilberto Freire e com insipiente participação dos negros e índios. Por conseguinte, com um tipo humano mais civilizado, religioso, dócil, trabalhador, e outros atributos relacionados. Se o imigrante se colocava como principal via para um país civilizado, trabalhador e ordeiro, o Paraná seria privilegiado, uma vez que imigrantes foram incentivados a ocuparem ostensivamente os seus territórios desde o final do XIX. Restava apagar possíveis traços de culturas remanescentes e construir discursivamente um ?Brasil diferente?. Todavia, em que medida os processos criminais reproduzem esse discurso? Um discurso da diferença pela civilização sobrevive a uma análise micro histórica do cotidiano ou de uma ?política do cotidiano?? Que outras visões de mundo e significados do cotidiano e da vida podem ser depreendidos historicamente nos processos criminais do judiciário de Mallet? São algumas questões iniciais que as fontes nos instigam a investigar.
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (5) / Mestrado acadêmico: (5) .
Integrantes: Hélio Sochodolak – Coordenador / Valter Martins – Integrante / José Miguel Arias Neto – Integrante / Tania Maria Gomes da Silva – Integrante.
Financiador(es): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – Auxílio financeiro.

Grupos de Pesquisa: Deleuze/Guattari e Foucault, elos e ressonâncias – UNESP
Grupos de Pesquisa: Estudos Culturais, Política e Mídia – UEL
Grupos de Pesquisa: Núcleo de Pesquisas em História da Violência (NUHVI) – UNICENTRO
(Líder)

Currículo Lattes

JOSÉ ADILÇON CAMPIGOTO – jacampigoto@gmail.com

Credenciado em 2012

Área de atuação: História Cultural; região – fronteira – cotidiano – movimento social – hermenêutica – ruralidade – saber e imaginário; povos faxinalenses e eslavos do Sul do Brasil.

Pesquisa:  A Escola e o Ensino de História na Região dos Faxinais
Descrição: Investigação sobre o ensino da história em escolas públicas do ensino básico situadas em comunidades de povos tradicionais, no caso, faxinalenses, visando divulgar as experiências que vinculam a cultura faxinalense e os conteúdos curriculares de história e promover adequações previstas pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação às peculiaridades da vida rural na área de abrangência dos faxinais.
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (3) / Mestrado acadêmico: (3) .
Integrantes: José Adilçon Campigoto – Coordenador / Rejane Klein – Integrante / João Carlos Corso – Integrante / Edson Santos Silva – Integrante.
Financiador(es): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – Auxílio financeiro.

Número de produções C, T & A: 2 / Número de orientações: 2

Pesquisa: Os faxinais na região de Irati-PR: história dos povos tradicionais.
Descrição: Estudo sobre o sistema de faxinais na região de Irati-PR envolvendo a descrição e o registro da história e da cultura dos faxinalenses a partir de fontes variadas.
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (7) / Mestrado acadêmico: (2) .
Integrantes: José Adilçon Campigoto – Coordenador / Fabiane Maria de Oliveira – Integrante / Adriane do Rocio Kaminski – Integrante / Jeferson do Nascimento Machado – Integrante / Rafael Santos – Integrante / Gabriel José Pochapski – Integrante / Willian Ribeiro Pinto – Integrante / Francelize Franczak – Integrante / Leonilso Souza Santos – Integrante / Ancelmo Schörner – Integrante / Rosenaldo de Carvalho – Integrante.

Número de produções C, T & A: 2 / Número de orientações: 8

Grupos de Pesquisa: Cultura, Fronteira e Desenvolvimento Regional – UNIOESTE
Grupos de Pesquisa: Estudos em História Cultural – UNICENTRO (Líder)

 

Currículo Lattes

JOSÉ MIGUEL ARIAS NETOjosemiguel2009a@gmail.com

Área de atuação: política, representações, militares, marinha, imprensa militar, regiões e fronteiras do poder.

Pesquisa: Imprensa militar no século XIX: Um estudo dos periódicos navais – 1851-1882
Descrição: O projeto visa realizar o estudo dos periódicos navais publicados entre os anos de 1851 e 1882 com objetivo de compreender os impactos políticos e culturais da imprensa militar na sociedade brasileira. Também visa compreender as relações entre ciência, tecnologia e política nestes periódicos e a modernização da Marinha ao longo do século XIX; as relações entre a modernização e a ação política dos militares da marinha; a constituição e funcionamento das redes de comunicação em que estes periódicos se inserem em nível nacional tentando reconstituir alguns diálogos com a imprensa comum e em nível internacional, tentando compreender a dinâmica da recepção, da leitura e da tradução de artigos dos periódicos estrangeiros para publicação nos nacionais, fazendo ainda uma comparação com o caso argentino; Palavras chave: Imprensa Militar ? Política ? Ciência ? Tecnologia.
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (8) / Mestrado acadêmico: (2) .
Integrantes: José Miguel Arias Neto – Coordenador.
Financiador(es): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – Bolsa.

Número de produções C, T & A: 1 / Número de orientações: 10

Grupos de Pesquisa: Democracia, Militares e a Esquerda Militar – UNESP
Grupos de Pesquisa: Estudos Culturais, Política e Mídia – UEL (Líder)
Grupos de Pesquisa: Grupo de Trabalho em História Política – UEL
Grupos de Pesquisa: História Militar e Fronteiras – UNIVERSO
Grupos de Pesquisa: Núcleo de Pesquisas em História da Violência (NUHVI)

 

Currículo Lattes

ODINEI FABIANO RAMOSodineiramos@gmail.com

Área de atuação: História moderna e contemporânea, com ênfase em imaginário representações e processos migratórios, identidade étnica e memória coletiva.

Pesquisa: Relatórios da Secretaria dos negócios de obras públicas e colonização e suas intervenções na região centro-sul do Paraná (1892-1913)
Descrição: Relatórios da Secretaria dos Negócios de Obras Públicas e Colonização e suas intervenções na região centro-sul do Paraná (1892-1913).
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Integrantes: Odinei Fabiano Ramos – Coordenador.

Grupos de Pesquisa: Cultura, Etnias, Identificações – UNICENTRO

 

Currículo Lattes

OSÉIAS DE OLIVEIRAoseias50@yahoo.com.br

Credenciado em 2012

Área de atuação: educação étnico-racial, regiões e religiosidades, diversidade cultural, identidade étnica, indígenas e quilombolas.

Pesquisa: A construção do sertão de Guarapuava – séc. XVIII
Descrição: Esta pesquisa integra parte das atividades do pós-doutoramento no exterior, junto ao Instituto de Investigação Científica Tropical, em Lisboa, Portugal, e pretende compreender, a partir das últimas problematizações na história sobre regiões e, principalmente, sertões, como se deu o processo de ocupação não-indígena, no século XVIII, e a transformação do tradicional território Kaingang, conhecido como Koran-Bang-Re, em sertão de Guarapuava. Estes sertões comumente tem sido abordados pela historiografia com uma delimitação temporal restrita ao século XIX, em função da facilidade do acesso da documentação administrativa que, após o desmembramento de São Paulo em 1853, tornou-se mais detalhada e preocupada com as fronteiras no Brasil Meridional. Os temas que tradicionalmente caracterizaram o uso desta documentação (tomada de forma descritiva para relatar a conquista de Guarapuava) tem dado lugar à trabalhos focados na demografia histórica, nas relações interétnicas, envolvendo indígenas e não-indígenas, e nas relações socioculturais desenvolvidas entre os muitos sujeitos históricos que constituíam a sociedade no sertão. Desta forma, um importante período, centrado no século XVIII, tem sido pouco abordado e quando mencionado, se faz a partir da referência de uns poucos estudos que buscaram oferecer um panorama geral da região geográfica que compreendia entre os rios Paranapanema e o Iguaçu (sentido norte-sul), e os rios Tibagi e Ivaí até o rio Paraná (sentido leste-oeste). As noções de regiões e espaços podem ser aplicadas para compreender a construção discursiva dos sertões de Guarapuava, seja enquanto uma disputa nas ciências pelo domínio do objeto, ou seja enquanto um conjunto de práticas sociais que atravessam e organizam os lugares. Então, os sertões de Guarapuava, no século XVIII, podem ser entendidos como uma categoria manifesta por um espaço decorrente de um lugar praticado e em condições de ser lido por um sistema de signos. O sertões devem ser interpretados como um espaço definido a partir das ações dos sujeitos que o produzem, delineiam e o configuram por meio de práticas e ações cotidianas, ou operações espacializantes, decorrentes dos muitos embates culturais praticados neste sertão, que o produzem enquanto movimento e transformação.
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Integrantes: Oséias de Oliveira – Coordenador.

Pesquisa: Regiões e Representações nos Relatos do Século XVIII e XIX

Descrição: A partir da problematização das noções de espaço, região e sertão, o projeto pretende analisar a formas como são concebidas e representados os indígenas e os negros nos séculos XVIII e XIX.
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Integrantes: Oséias de Oliveira – Coordenador.

Número de produções C, T & A: 2

Grupos de Pesquisa: Cultura, Etnias, Identificações – UNICENTRO
Grupos de Pesquisa: Estudos em História Cultural – UNICENTRO
(Líder)

 

Currículo Lattes

LINHA ESPAÇOS SIMBÓLICOS, AMBIENTE E CORPOREIDADES

ALEXANDRA LOURENÇOalels1@hotmail.com

Área de atuação: Sociologia e História, com ênfase em ciência política e antropologia.

Pesquisa: Instituições, Poder e Relações de Gênero.
Descrição: Considerando que, em qualquer realidade social, em qualquer período histórico, existe a construção dos papéis sexuados, ou seja, uma construção de masculinidades e feminilidades, um jeito de se pensar e valorizar diferentemente os gêneros, e que essa construção ocorre no campo da representação, buscamos analisar as relações de poder e dominação entre os gêneros em diversos campos institucionais como a família e o Estado.
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.

Grupos de Pesquisa: Estudos em História Cultural – UNICENTRO
Grupos de Pesquisa: Núcleo de Pesquisas em História da Violência (NUHVI)

 

Currículo Lattes

ARIANE CARLA PEREIRA FERNANDESarianepereira1977@gmail.com

Área de atuação: Telejornalismo; Linguística, com ênfase em Análise do Discurso; e História da/na Mídia.

Pesquisa: Reconstruindo uma trajetória: a história da televisão em Guarapuava (TVs Manchete, Bandeirantes e Globo)
Descrição: Guarapuava. Cidade localizada no centro-oeste paranaense com quase 200 anos e, segundo o último censo do IBGE, 170 mil habitantes. Apesar de mais antiga que muitas das cidades do interior do estado, o município assistiu (passivamente) a criação, construção, crescimento e desenvolvimento de outros que, pouco a pouco, o foram deixando para trás ? econômica, política e culturalmente ? como Maringá e Londrina. Esta última, por exemplo, que tem menos metade da idade de Guarapuava, foi a primeira cidade interiorana brasileira a ter instalada uma emissora de televisão, a TV Coroados, de 1963. Sua universidade estadual (UEL ? Universidade Estadual de Londrina) data de 1970 e oferece o curso de Jornalismo desde a década de 1970.Curso este mais antigo que a própria Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO), criada em 1990. Já o curso de Jornalismo em terras guarapuavanas teve início em 2002. Curso jovem como também são razoavelmente recentes as transmissões telejornalísticas na cidade. Atualmente, são duas emissoras funcionando na cidade – a TV Guairacá/RPCTV/Rede Globo e a TV Humaitá. Assim, pensar sobre o ensino e a pesquisa de telejornalismo localmente, ou seja, na Unicentro, passa, também, pela constituição da TV e do telejornalismo no município. No início da década de 1990, aproximadamente 30 anos depois da instalação da TV Coroados, em Londrina, e da TV Tibagi, em Apucarana, ambas no interior paranaense, é instalada a primeira emissora aberta de Guarapuava: a TV Independência, pertencente ao Sistema Sul de Comunicação, rede de afiliadas da TV/Rede Manchete, no Paraná. Porém, com a extinção desta, a TV local passou a retransmitir o sinal da TV/Rede Bandeirantes. No ano 2000, a emissora é comprada pela Rede Paranaense de Comunicação (RPC) e passa a fazer parte do grupo retransmissor da TV/Rede Globo no Paraná. Na época, mais nova entre as emissoras pertencentes ao grupo. A presença do curso de Jornalismo – concomitantemente ao funcionamento de emissoras de TV em Guarapuava – não promoveu o interesse por se estudar as origens da televisão na cidade, não havendo registros acadêmicos e/ou científicos das duas primeiras fases da TV na cidade, com as presenças, inicialmente, da TV Manchete seguida pela TV Bandeirante. Nesse sentido, esse trabalho visa dar continuidade a uma pesquisa anterior em que foi feita memória da implantação da TV Guairacá em Guarapuava, desta vez, promovendo o registro da história dessas emissoras locais a partir do testemunho das pessoas – jornalistas e técnicos – que atuaram em ambas televisões. Assim, o objetivo geral do projeto de pesquisa aqui proposto é sistematizar a história da televisão aberta e, sobretudo, do telejornalismo nas primeiras emissoras abertas a atuarem na cidade – TV Manchete e TV Bandeirantes. Para isso, buscar-se-á, de modo específico incentivar a produção de pesquisa acerca de memória da mídia no Centro-Oeste do Paraná, especificamente em Guarapuava; e registrar, em formato de texto científico (artigo(s) e/ou livro), as memórias dos profissionais que atuaram nessas emissoras, possibilitando, assim, a manutenção da uma certa história da televisão guarapuavana. Esta pesquisa se dará, primeiramente, através da pesquisa bibliográfica de fontes primárias. Ou seja, do levantamento nos jornais e revistas publicados na região das notícias referentes ao funcionamento das emissoras afiliadas a TV Manchete e a TV Bandeirantes. Concomitantemente, serão realizadas entrevistas, utilizando-se das técnicas de pesquisa e de apuração jornalística e da história oral, para que profissionais que atuaram nas emissoras relatem os fatos por ele vividos e presenciados enquanto funcionários da televisão, permitindo, desse modo, a reconstrução de uma mirada sobre a história da TV em Guarapuava. Também procuraremos levantar com nossas fontes (entrevistados) se eles armazenam registros audiovisuais das transmiss.
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Integrantes: Ariane Carla Pereira – Coordenador.

Grupos de Pesquisa: Conversas Latinas em Comunicação (CLC) – UNICENTRO (Líder)
Grupos de Pesquisa: Leitura, Mídia e Formação de Professores de Línguas – UEM

 

Currículo Lattes

BEATRIZ ANSELMO OLINTObiaolinto@hotmail.com

Credenciado em 2012

Área de atuação: Teoria da História, História das doenças, Historia rural e Identificações.

Pesquisa: Proprietas – Projeto certificado pelo(a) coordenador(a) Márcia Maria Menendes Motta em 25/10/2013.
Descrição: A Rede Proprietas é uma iniciativa que parte de uma equipe composta por pesquisadores oriundos das áreas de história, direito e das artes. Tem como objetivo fomentar as discussões acerca da ideia de bem comum, historicizando e problematizando a noção da propriedade individual, muitas vezes tomada como natural e absoluta, conforme defendem alguns dos intérpretes mais conhecidos do liberalismo. A Rede Proprietas se propõe a funcionar como um canal para debate e reflexão sobre a temática da propriedade, para produção e divulgação de pesquisas, bem como para intercâmbio e interação entre pesquisadores cujos trabalhos são atravessados pela preocupação com a preservação e defesa de interesses coletivos. Os projetos de pesquisa desenvolvidos pela Rede Proprietas são coordenados pela historiadora Márcia Motta, professora do Departamento de História da Universidade Federal Fluminense (UFF), pesquisadora do CNPq e Cientista do Nosso Estado, pela FAPERJ.
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Integrantes: Beatriz Anselmo Olinto – Integrante / Marcia Menendes Motta – Coordenador / Marcos Nestor Stein – Integrante / Hélio Sochodolak – Integrante.
Financiador(es): Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações – Outra.

Grupos de Pesquisa: Cultura, Etnias, Identificações – UNICENTRO (Líder)
Grupos de Pesquisa: NÚCLEO DE HISTÓRIA RURAL – UFF

 

Currículo Lattes

DANILO FERREIRA DA FONSECA – daniloffonseca@gmail.com

Área de atuação: História Contemporânea, com ênfase no continente africano e em relações étnico raciais no mundo contemporâneo. Teoria da História e etnocentrismo. Questões afro-brasileiras.

Pesquisa: Relações étnico-raciais no mundo contemporâneo
Descrição: Com o presente projeto pretende-se dar continuidade a estudos e discussões realizadas nos últimos anos pelo docente proponente sobre questões consideradas de interesse para a mundo contemporânea a partir da segunda metade do século XX e início do século XXI no que tange relações étnico-raciais e a educação principalmente no que envolve o continente africano (mas também com possibilidade de ampliar para outras territorialidades). O Resultado esperado é a publicação de artigos em periódicos especializados na temática, além da difusão da pesquisa em eventos acadêmicos. Também pretende-se articular tais atividades de pesquisa à atividades de extensão vinculadas ao Núcleo de Estudos Étnico-Raciais (NEER).
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) .

Grupos de Pesquisa: Educação Histórica: Consciência Histórica e Cultural – UNICENTRO
Grupos de Pesquisa: História das direitas – UFF
Grupo de pesquisa: África do século XX e tempo presente – História Contemporânea – UNEB

 

Currículo Lattes

 DAVI SILVA GONÇALVES gdavi1210@gmail.com

Área de atuação: História e literatura. Metaficção historiográfica. Romance histórico. Materialismo histórico-dialético.

Pesquisa: História e literatura
Descrição: Este projeto busca desenvolver e orientar pesquisas que articulem um paralelo entre a história e a literatura, levando em conta a produção literária preferencialmente (mas não exclusivamente) de autores eslavos e/ou descendentes de eslavos, tendo em vista o contexto particular de Irati e região.
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Integrantes: Davi Silva Gonçalves – Coordenador.

Grupos de Pesquisa: Estudos de literaturas de língua espanhola e inglesa – UNICENTRO
Grupos de Pesquisa: Estudos Literários: teoria, crítica e ensino – UNICENTRO

 

Currículo Lattes

NADIA MARIA GUARIZAnadiamguariza@gmail.com

Área de atuação: história, gênero, catolicismo, educação e culto mariano.

Pesquisa: Ensino e aprendizagem de história: mapeamento de infraestrutura e das práticas com tecnologias educacionais nas escolas estaduais públicas localizadas no campo, nos municípios de Prudentópolis e Araucária
Descrição: O presente projeto de pesquisa vincula-se à área de educação e busca analisar os processos de ensino e de aprendizagem de História a partir de práticas que se utilizam das tecnologias educacionais em escolas estaduais do campo. Os propósitos desse projeto ancoram-se no fato de que desde as últimas categorizações sócio-antropológicas sobre usuários de tecnologias, como as gerações Baby boomers, X, Y e Z, tem-se observado (e experimentado na prática) diferenças fundamentais nas estruturas e estilos cognitivos desses representantes, o que fortalece as máximas relacionadas aos usos de tecnologias como interferentes diretos nos processos de aprendizagem.
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Integrantes: Nadia Maria Guariza – Coordenador / Claércio Ivan Schneider – Integrante / Rita Gonçalves – Integrante / Pedro Leão da Costa Neto – Integrante / Susane Martins Lopes Garrido – Integrante / Geyso Dongley Germinari – Integrante.
Financiador(es): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – Auxílio financeiro

Pesquisa: Levantamento de fontes sobre estudos de religião em Irati – PR.
Descrição: O presente projeto pretende conduzir um levantamento de fontes nas duas principais paróquias da cidade de Irati (PR), Nossa da Luz e São Miguel, com a finalidade de desenvolvimento de pesquisar posteriores com alunos da graduação e pós-graduação do Dehis Unicentro (Campus Irati)..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) .
Integrantes: Nadia Maria Guariza – Coordenador.

Número de orientações: 1

Grupos de Pesquisa: Educação Histórica: Consciência Histórica e Cultura – UNICENTRO

 

Currículo Lattes

PAULO RODRIGO ANDRADE HAIDUKE paulohaiduke@unicentro.br

Área de atuação: História e Educação com ênfase em História Moderna e Contemporânea, Teoria e Filosofia da História, literaturas estrangeiras modernas e patrimônio histórico e cultural.

Pesquisa: Proust visita o Brasil: a recepção pela intelectualidade brasileira (décadas de 1920 à 1950)
Descrição: A pesquisa busca analisar o corpus documental referente à recepção da obra de Marcel Proust no Brasil (1920-50), para compreender qual foi o impacto da mesma no campo intelectual brasileiro…
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Integrantes: Paulo Rodrigo Andrade Haiduke – Coordenador.

Grupos de Pesquisa: Intelectuais, ciência e nação – UNICENTRO

 

Currículo Lattes

ROSEMERI MOREIRArosemeri1moreira@gmail.com

Área de atuação: Teoria Feminista, História das Polícias, Historia das Mulheres, Militarismo, História do Corpo, Violência.

Pesquisa: Entre o público e o privado: teoria política, corpo, gênero e História
Descrição: Esta pesquisa tem por foco discutir os deslocamentos, negociações e ressignificações elaboradas na e para a metáfora das esferas público X privado, no embate entre as teorias políticas liberais e as teorias da Crítica Feminista, a partir de análise sobre a presença de mulheres e/ou de discursos relativos a um dito feminino, em instituições pensadas como masculinas ou masculinizantes, ou seja, públicas, tais como as Polícias brasileiras, as Forças Armadas (instituições ditas viris) e também em instituições vistas como propriamente políticas, da chamada sociedade civil: partidos políticos e sindicatos de categorias profissionais. A discussão dar-se-á a partir da presença de mulheres e discursos sobre o feminino presentes nessas instituições: polícias brasileiras (PMPR; PMESP e PMSC); a criação das chamadas FAGs ? Feminino Auxiliar de Guerra, no Exército Brasileiro em 1942-1945; e, em âmbito local, as relações de gênero e a presença indelével de mulheres em alguns sindicatos (SISPPMUG, SEEB e SINCOPUAVA) e partidos políticos (PCdoB, PMDB e PT). Importante observar que na defesa da atividade dita militar, como sendo uma capacidade inerente ao corpo dos homens, se condensam percepções que vão além do combate propriamente dito. O termo militar suscita percepções sobre a capacidade de ação dos sujeitos na esfera pública e sobre os usos sociais da violência coletiva, referindo-se ora ao embate físico, ora à atuação política dos sujeitos, sejam eles tanto ?militares?, quanto ?militantes?. Militares, policiais, e também os militantes, encontram-se próximos no que diz respeito à construção da chamada fides implícita, base primeira do espírito de corpo (BOURDIEU, 2009; CASTRO, 2004), a qual corresponde a necessidade da construção de unicidade e homogeneidade dessas instituições, como é o caso das Forças Armadas e das polícias em geral e também de alguns partidos políticos e sindicatos. São diversos os binarismos fundantes do chamado pensamento moderno/ocidental: racionalidade/sensibilidade; ciência/religião; público/privado; Estado/família; guerra/paz; objetividade/subjetividade; sujeito/objeto, etc. Dentre esses, a dicotomia público/privado é uma das bases fundantes da cultura política da modernidade e se coaduna de maneira profunda com o sistema binário de gênero, em que a ideia de homem/masculino e mulher/feminino são estanques e irredutíveis. Essas dicotomias estão na base da teoria política liberal, a qual foi levada a cabo, das mais variadas formas, em meio às chamadas Revoluções Democráticas Burguesas (sécs. XVII e XVIII) e seguem como fundadoras do Estado e do direito liberal, ainda contemporaneamente. Essas revoluções, que instituíram os estados democráticos de direito, inauguraram a concepção de cidadania, democracia, e estabeleceram Estados pautados por Constituições. No entanto, ao mesmo tempo em que levaram adiante o abandono da desigualdade de status pelo nascimento (nobreza x burguesia), nesses estados democráticos pioneiros (França, EUA e Inglaterra) foram mantidas as desigualdades de sexo/gênero, classe social e etnia/raça (Scott, 2005). No caso dos EUA, por exemplo, após a Guerra da Independência (1775?1783), foi mantida a escravidão negra e vetado o voto às mulheres. Processo esse embasado pelas teorias liberais. Ou seja, a partir da experiência concreta dessas revoluções, foi construído em Estado, que em nome do ?todos?, base do direito liberal, excluiu as mulheres, os negros e os pobres em geral, do debate político e de espaços considerados de poder (Scott, 2002). Teoricamente para justificar a exclusão das mulheres, e das pessoas negras, diversos pensadores revolucionários desse período, se utilizaram da ideia de natureza feminina e inferioridade racial. Devido ao seu corpo, especificamente a sua genitália e a capacidade de reproduzir a vida humana, as mulheres estavam destinadas pela natureza aos.
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (4) / Mestrado acadêmico: (1) .
Integrantes: Rosemeri Moreira – Coordenador / Jadson Stevan Souza da Silva – Integrante / Elisangela Goldacha – Integrante / Gisele Maria Vargas – Integrante / Ana Carolina Bueno – Integrante / Maria Cristina Kirach – Integrante

Grupos de Pesquisa: Intelectuais, ciência e nação – UNICENTRO
Grupos de Pesquisa: Núcleo de Pesquisas em História da Violência (NUHVI)

 

Currículo Lattes

VANDERLEI SEBASTIÃO DE SOUZAvanderleidesouza@yahoo.com.br

Área de atuação: nação, raça e identidade nacional, pensamento médico, história da saúde pública, interpretações do Brasil, trajetórias e biografias intelectuais, história da eugenia, da genética e da antropologia física.

Pesquisa: Ciência, raça e nação: os retratos e representações da identidade nacional na escrita médico-científica da primeira metade do século XX
Descrição: O objetivo do projeto é analisar as ideias e representações sobre a construção da nação, bem como as diferentes formas de intervenção na vida social, promovidos no Brasil por cientistas e intelectuais ligados ao campo médico. Meu interesse é analisar especialmente um grupo de cientistas e intelectuais que tiveram suas trajetórias associadas ao campo da medicina, da eugenia, da antropologia física e da genética humana na primeira metade do século XX. Neste contexto, trata-se de analisar desde o debate sobre interpretações médico-científicas em torno das relações entre raça, natureza e sociedade, temáticas inescapáveis desde o final do século XIX, até as questões relacionadas à ocupação do interior do país e o processo civilizatório, as discussões sobre sertão, regiões, saúde pública, imigração e identidade nacional. Alguns aspectos a serem explorados ao longo da pesquisa dizem respeito à relação entre a escrita intelectual, ou científica, e a intervenção na vida pública, bem como a relação e as fronteiras entre ciência, política e nação. Além disso, é importante considerar também a formação dos campos intelectuais, as relações de poder, as estratégias simbólicas de construção de prestígio e legitimação, as forma de apropriação, resignificação e difusão de ideias, as polêmicas, divergências e consensos em torno da formulação de projetos intelectuais e científicos..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (5) / Mestrado acadêmico: (1) .
Integrantes: Vanderlei Sebastião de Souza – Coordenador / Marcela Cristiane Cavalheiro Miranda Francescon – Integrante / Francielle Aparecida Uchak – Integrante / Osvaldo Carneiro de Matos Neto – Integrante / Alana Juni Pereira Costa – Integrante / Denis Henrique Fiuza – Integrante / Megi Monique Maria Dias – Integrante.

Grupos de Pesquisa: Intelectuais, ciência e nação – UNICENTRO (Líder)

 

Currículo Lattes