Diferentes propostas sonoras marcam segunda noite do Fuca 2018

Diferentes propostas sonoras marcam segunda noite do Fuca 2018

A oitava edição do Festival Unicentro da Canção, o Fuca, seguiu agitando o público do Auditório Francisco Contini, na segunda noite da fase classificatória. As apresentações da quinta-feira agradaram pela variedade de estilos e ritmos. Um exemplo de quem compareceu e gostou do que viu e ouviu foi o pequeno Luka Klanovicz, de 12 anos. “Uma que eu gostei bastante do Lótus, a música ‘Estrelas’;  também o cover de ‘Stressed Out’, do Angelo; e os reggaes em geral estão bem legais”, afirma.

Luka estava acompanhado da avó, a dona Eliana Rosar, que é aposentada e apaixonada por rock. Apesar de estarem aproveitando todas as apresentações, os dois vieram com uma missão especial, torcer por Luciana Klavovicz, que é mãe do Luka e filha de Eliana. E foi a própria Luciana uma das responsáveis pela mistura de ritmos do Fuca. Ela abriu as apresentações da noite com um cover de “Wasting Love”, da banda britânica de heavy metal Iron Maiden. Ela, que é professora do Departamento de História da Unicentro, conta o que motivou a trazer um som mais pesado para o Festival. “Eu gosto muito dessa música e acho que ela tinha que ser um desafio para cantar. E também porque eu queria cantar essa música com a banda Fuca, tinha que ser uma música a altura deles”.

Nessa sexta, na final, são 22 apresentações (Foto: Coorc)

E não apenas o Luka e a Eliana estavam na torcida por alguém. O casal de namorados e estudantes de Fisioterapia, Ellen Navroski e  Rafael Dal Molin, veio assistir a uma amiga. “Como ela é nossa amiga a gente quer apoiar e prestigiar esse momento que é legal de participar”, explica Rafael. Já a Ellen confessa que não imaginava a magnitude do Fuca. “Eu não conhecia a grandiosidade do concurso e eu achei bem interessante”, reconhece. Do outro lado, no palco, estava amiga de Ellen e Rafael, a Ariane Tofanini, que interpretou a música “Believer”, do Imagine Dragons. Ela conta como o apoio a ajudou na hora de cantar. “Eu fiquei muito melhor. Na hora que eu olhei para eles, eu acalmei e consegui fazer”, revela a também estudante de Fisioterapia na Unicentro.

E quem também trouxe mais pluralidade ao Fuca foi o grupo Lótus, que mistura, em suas performances, música e teatro. O grupo curitibano é formado por Thiago Juraski, Aline Cebulski, Carol Petik, Ariel Rodrigues e Vitor Cunha. O conjunto tocou a canção “Estrelas” que, segundo Thiago, precisou ser adaptada pelo grupo, já que o Fuca é voltado para a música. “É uma composição um pouco diferente do que a gente está habituado. É uma quase uma canção de ninar, mas também aborda um assunto um pouco diferente, quase um tabu, que é a passagem da vida”, explica.

Uma das apresentações que mais agitou o público foi da dupla Behind the House, formada pelos estudantes Angelo Rafael e Arthur Araújo. Os meninos, nessa quinta, subiram ao palco duas vezes, uma em cada categoria. Eles elevaram a energia, improvisando solos, interagindo com quem assistia e até deitando no palco. “Aquele primeiro solo que eu fiz lá, eu nem sabia direito o que fazer”, confessa Arthur, o baterista da dupla. Mas o estilo descontraído tem uma razão, segundo o guitarrista Angelo. “Eu gosto bastante de conversar com o público, me deixa mais seguro lá em cima”, explica.

Variedade de estilos marcou segunda noite do Fuca 2018 (Foto: Coorc)

A música tradicional gaúcha também contou com um representante. Munido de sua gaita, Adan Rocha interpretou a canção “Meus Amores”, de Luís Marenco.  Segundo o cantor, a escolha pelo ritmo tradicionalista se deve a busca por visibilidade. “A música gaúcha tem muito pouco espaço na mídia e ela é uma cultura muito complexa e também muito bonita”.

Mas o ápice da noite veio depois do fim das apresentações. Tanto os concorrentes quanto a plateia aguardaram com apreensão a divulgação dos nove finalistas de cada categoria. Na composição os finalistas foram Lucas Caniza, Lucas Macedo, Lucas Santos Cabral, Luiz Ludwig, Matheus Valim Silva, Nilson Jorge, Robson Ferras, Saulo Carvalho e Thiago Juraski. Já em interpretação, os escolhidos para disputar os prêmios do Fuca foram Adan Rocha, Angelo Rafael, Danielle Baldissera, Dioni Eric Lima, Edson Junior, Fabio Santos, Jean Carlos Marciano, Kenji Hirano e Wylliam Neves Miranda.

Na terceira noite, os concorrentes se juntam aos quatro representante do Festival Cantaí, do campus de Irati, na disputa pelos prêmios de R$ 2.000,00 para os primeiros lugares em cada categoria, R$ 1.000,00 e  R$500,00 para os segundos e terceiros lugares, respectivamente. Além disso, há ainda a escolha da galera, que também premia com R$ 500,00 um integrantes de cada categoria baseado na manifestação do público.

A final do Fuca é nessa sexta-feira (28), a partir das 19h, no Auditório Francisco Contini, que fica no campus Santa Cruz da Unicentro. A entrada para o Festival é gratuita.

Avatar

Deixe uma resposta