Menção Honrosa é entregue para os melhores trabalhos de iniciação científica da Unicentro

Menção Honrosa é entregue para os melhores trabalhos de iniciação científica da Unicentro

Para incentivar o desenvolvimento da pesquisa científica na universidade, os melhores trabalhos apresentados durante o Eaic, que é o Encontro Anual de Iniciação Científica da Unicentro, receberam uma Menção Honrosa. Nesse ano, o Eaic contou com a apresentação de 769 trabalhos, que são resultados das pesquisas desenvolvidas por estudantes de todos os cursos de graduação da Unicentro. A cerimônia de entrega das menções honrosas marcou o encerramento da programação do 28º EAIC e reuniu estudantes, professores e orientadores, além dos representantes do Comitê Externo do CNPq, que foram os avaliadores dos trabalhos. 

Nós avaliamos de acordo com as áreas de origem de cada um, o grau de desenvolvimento da pesquisa; a dedicação dos alunos; o uso dos procedimentos científicos corretos; o uso de uma linguagem correta; avaliamos também a dedicação e mesmo o entusiasmo dos alunos com as suas pesquisas e sempre tentamos fazer com que o aluno se sentisse incentivado a prosseguir seus estudos”, explica a professora Luciana Murari, membro do comitê externo CNPq.

Ao receber a menção honrosa, estudantes e orientadores comemoraram o reconhecimento pelo trabalho desenvolvido. “Eu acho que é fantástico que a Unicentro tenha tomado esse trabalho para reconhecer o que a gente fez. Essa premiação significa, então, que valeu a pena o esforço que a gente teve ao longo desse ano”, avalia Guilherme Menon, que é acadêmico Ciência da Computação”. O orientador dele, professor Marcio Martins complementa. “Um incentivo para os alunos que foram premiados para continuarem e melhorarem o seu desenvolvimento e para outros alunos que tenham interesse em participar da iniciação científica”. 

Os trabalhos primeiros colocados receberam troféus (Foto: Coorc)

A pesquisa do Luiz Gabriel Ludwig, que é acadêmico Ciências Biológicas, analisa a água de uma unidade de conservação, utilizando organismos macroinvertebrados e garantiu a ele o segundo lugar na premiação da área de Ciências Biológicas. “A gente coleta esses bichos e analisa quais bichos têm lá e, com isso, consegue inferir a qualidade do ambiente para saber se está realmente preservado por se tratar de uma unidade de conservação ou se é necessário medidas de manejo e recuperação do local”, conta.

Segundo a professora Ana Lúcia Suriani, orientadora do Luiz Gabriel, o reconhecimento é uma forma de valorização do empenho de orientadores e estudantes. “Para todo orientador é uma maneira de a gente ser valorizado, da pesquisa ser valorizada dentro de todas as universidades e, também, não só o orientador, mas para os acadêmicos, para que a gente perceba que existem diferentes formas de pesquisar, de inovar e que a ciência está sempre próxima da sociedade”. 

Para a acadêmica Laura Rodrigues, estar com o troféu de primeiro lugar nas mãos confirma que todo o trabalho realizado valeu a pena. “O meu trabalho foi uma análise da campanha “Deixa ela trabalhar”, que foi uma campanha que envolveu 52 jornalistas esportivas no âmbito dos estádios, os assédios que elas sofriam. Então, a gente fez uma pesquisa trazendo um pouco como que foi esse processo de resistência dessas jornalistas dentro do seu local de trabalho. Quando você ganha esse tipo de menção, de prêmio, significa que deu tudo certo o que você fez, realmente, fez tudo o que pode para estar aqui hoje”. 

As pesquisas, além do retorno para a universidade, também refletem positivamente no desenvolvimento intelectual dos acadêmicos, avalia a orientadora de Laura, professora Ariane Pereira. “No meu ponto de vista, para cada aluno individualmente e para o conjunto de alunos porque, primeiro, eles se sentem valorizados, veem o quanto a pesquisa agrega conhecimento na vida deles e, sobretudo, prepara para um olhar crítico para toda a sociedade, para todos os acontecimentos sociais”.

Cerimônia marcou lançamento da revista de divulgação científica ICiência (Foto: Coorc)

O encerramento do Eaic também abriu espaço para o lançamento da revista ICiência, que traz em sua primeira edição os trabalhos que receberam a menção honrosa em 2018. “Uma revista de divulgação Científica, com uma linguagem voltada ao público, ou seja, uma linguagem mais jornalística, tornando mais fácil a ciência, transformando a ciência em uma linguagem fácil de entendimento”, relata o professor Luciano Farinha, diretor de Pesquisa da Unicentro. 

Os estudantes primeiros colocados também foram contemplados com uma viagem para a Universidad de la Rioja, na Argentina, que deve ser realizada no início do ano que vem. O reitor da Unicentro, professor Osmar Ambrósio de Souza, destacou a importância da menção honrosa e da premiação aos acadêmicos. “Isso é importante para a evolução da ciência, para valorizar esses novos pesquisadores, esse que está iniciando na arte da iniciação científica hoje poderá ser um grande cientista no futuro”.

Avatar

Deixe uma resposta