Público lota o Auditório Francisco Contini da Unicentro na primeira noite do Fuca

Público lota o Auditório Francisco Contini da Unicentro na primeira noite do Fuca

Tradição mantida: casa cheia, música boa e muita animação. Assim foi a primeira etapa classificatória do Fuca, o Festival Unicentro da Canção, que nesse anos de 2018 chega a sua oitava edição. Na primeira noite de apresentações, 19 candidatos subiram ao palco, buscando uma vaga para a final, na sexta-feira. Maria Eduarda Guimarães, estreante no Festival, abriu a noite interpretando a música “Never Enough”. “Eu fiquei bem ansiosa. Não digo se é sorte ou azar. Eu acho que a primeira pessoa a entrar é muita responsabilidade”. A música – que faz parte da trilha sonora do filme “The Greatest Showman” – foi escolhida por incentivo de amigos. “Desde que eu assisti ao filme, eu gostei muito da trilha sonora. São dois compositores incríveis, e eu me apaixonei pela música”.

Na primeira noite, foram 19 apresentações (Foto: Ana Gil Trivelato)

No palco, se revezavam candidatos da Interpretação e da Composição. E cada categoria conta com critérios de avaliação diferentes. Na Composição, por exemplo, os jurados levam em conta a letra da música, o arranjo e a melodia. Já na Interpretação o que importa é a releitura que o candidato apresenta da música. “Nós temos critérios de avaliação já definidos. Na Interpretação a gente avalia muito mais a desenvoltura e a dificuldade do cover da canção. Na Composição é a criatividade, é a forma de compor, a harmonia, toda a métrica de tempo, ritmo que compõe toda a obra final”, afirma Aurea Regina de Oliveira, uma das juradas do Fuca 2018.

Um dos concorrentes da categoria Composição é o veterano de Festival, Eliezer Kailer, que participou das últimas duas edições do Fuca. A música “Imprevisível” foi composta há quatro anos. Porém, os arranjos finais foram feitos apenas para a participação na mostra competitiva da Unicentro. “A letra fala sobre alguém perdido, buscando algo que ele mesmo desconhece, mas que, por ironia do destino, continua procurando”, comenta o participante.

Público estava animado na primeira noite de Festival (Foto: Ana Gil Trivelato)

O público, como nos anos anteriores, lotou o auditório Francisco Contini. Além de amigos e familiares dos participantes, os estudantes – que não paravam de chegar – também marcaram presença na primeira noite de apresentações. “Por eu ser caloura aqui na universidade, essa é a minha primeira noite de Fuca. Então, eu estou com uma expectativa bem alta. E todo mundo da Unicentro fala muito bem do Festival. Então, eu acho que vai ser muito legal”, conjecturava Vittória Mulfait, antes do início das apresentanções. Expectativa confirmada conforme os músicos se apresentavam. “Eu estou achando incrível! Realmente, a música toca as pessoas de um jeito que não tem explicação”, comenta o acadêmico de Publicidade e Propaganda Dener Nogueira.

A segunda noite classificatória do Fuca 2018 tem início, hoje (27), às 19h, no Auditório Francisco Contini, que fica no campus Santa Cruz, com entrada gratuita. As apresentações também podem ser acompanhadas em tempo real no site da Unicentro. Nessa quinta, são mais vinte apresentações e ao final das audições serão divulgados os finalistas dessa oitava edição do Festival Unicentro da Canção.

Avatar

Deixe uma resposta