Unicentro sedia Audiência Pública sobre Programa de Educação Ambiental

Unicentro sedia Audiência Pública sobre Programa de Educação Ambiental

A Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e Turismo do Paraná iniciou uma nova etapa do processo de implantação do Programa Estadual de Educação Ambiental. Isso porque foi realizada em Guarapuava a primeira audiência pública de apresentação da minuta do programa. De acordo com a diretora de Políticas Ambientais, Fabiana Campos, a iniciativa é decorrente de uma diretriz nacional, do ano de 2016. No Paraná, a articulação do Programa de Educação Ambiental envolve também as secretarias de Estado da Educação, de Agricultura e da Saúde.

O texto do Programa Estadual de Educação Ambiental deve contar, também, com a contribuição da sociedade. “Começou a ser elaborado um documento que ficou pronto no final do ano de 2018 e o Ministério Público, por entender que foi um trabalho que foi construído pela Secretaria, ele não tinha o viés de ouvir a população, o que a população pensa. Então, eles nos sugeriram que a gente fizesse as audiências públicas. O objetivo é ouvir a percepção da população a respeito da Educação Ambiental no Paraná”, relata Fabiana.

Para dar encaminhamento às discussões, gestores e representantes de secretarias da região, além de professores e acadêmicos se reuniram no campus Cedeteg da Unicentro. O secretário municipal de Meio Ambiente de Guarapuava, Celso Araújo, destacou a importância do momento para alinhar e sugerir ações que respondam às demandas específicas da nossa região e que, ao mesmo tempo, também possam ser aplicadas em outros locais. “É fundamental para somar aos trabalhos de conscientização e buscar sempre a melhoria da qualidade de vida através da preservação e conservação do meio ambiente. Na questão ambiental você tem que pensar globalmente, mas agir localmente. Então, cada cidade, cada local tem as suas especificidades e você tem que trabalhar ali, buscar solução para aquela situação pontual que existe ali. E uma vez você buscando soluções para as questões locais, você acaba atingindo globalmente”.

Consulta pública contou com a participação de representantes dos municípios da região (Foto: Coorc)

A professora Ana Pietroski, que é técnica de educação ambiental do Núcleo Regional de Educação de Pitanga, participou da reunião e destacou a importância de discutir as questões ambientais com diferentes públicos. “Essa iniciativa é muito importante, muito bem-vinda porque nós vemos que, com isso, nós vamos conseguir atingir os jovens, os acadêmicos, os estudantes que, talvez, sejam justamente a nossa esperança de um mundo mais sustentável, de um ambiente mais preservado. Então, ações como essa de hoje, em que a gente vai sentar para discutir, para refletir e, com certeza, propor ações de preservação é extremamente importante”.

A minuta ainda será apresentada e discutida em outras quatro cidades do Paraná – Londrina, Paranaguá, Ponta Grossa e Jacarezinho. Essas audiências serão realizadas até o final do mês de setembro. A diretora de Políticas Ambientais da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Sustentável, Fabiana Campos, a minuta do programa também estará disponível para consulta pública. As sugestões podem ser encaminhadas até 10 de outubro por meio do questionário disponível no site ou pelo e-mail. “A gente vai percorrer o Estado até o dia 10 de outubro. Depois disso, tem o Encontro Paranaense de Educação Ambiental, que a gente vai compartilhar o resultado de tudo isso. Esse encontro é de 15 a 17 de outubro na Universidade Estadual de Londrina”.

Para a professora Adriana Kataoka, do Laboratório de Educação Ambiental vinculado ao Departamento de Ciências Biológicas da Unicentro, a expectativa é que, as contribuições levantadas nas audiências públicas possibilitem alinhar os trabalhos já desenvolvidos com as diretrizes do Programa Estadual de Educação Ambiental. Nós esperamos, em primeiro lugar, as contribuições para que a gente faça com que esse programa traga algumas características da nossa região e que as pessoas se engajem nesse movimento para efetivar a educação ambiental em Guarapuava e na região, o que, na verdade, já ocorre no nosso laboratório, por meio do nosso Laboratório de Educação Ambiental e a Prefeitura, que sempre realiza trabalhos. A gente faz pesquisa, ensino e extensão na educação ambiental e a gente espera que, então, se amplie o engajamento das pessoas nesse sentido”, diz.

Avatar

Deixe uma resposta