Oportunidades disponibilizadas pela Unicentro são reforçadas na recepção aos calouros do Cedeteg

Oportunidades disponibilizadas pela Unicentro são reforçadas na recepção aos calouros do Cedeteg

Para quem sai do ensino médio e inicia a vida universitária, tudo é novidade. É por isso que, ano a ano, a Unicentro realiza a recepção aos calouros nos três campi da nossa universidade. No Cedeteg, os novos acadêmicos dos 18 cursos de graduação ofertados no campus foram recebidos pelas equipes administrativa e pedagógica. Momento pensado, segundo o vice-reitor da universidade, professor Osmar Ambrósio de Souza, para tornar o ambiente e suas oportunidades mais conhecidos de quem está chegando. “Nesse momento em que nós acolhemos os alunos, nós desejamos as boas-vindas. É sempre bom quando se chega em um ambiente diferente ser bem acolhido. Mas, também, nessa oportunidade nós falamos um pouco do que nós esperamos da vivência dele”.

Gabriel Zarpelon é calouro de Agronomia. A expectativa que tinha quanto ao período de formação, que já era grande, aumentou depois da recepção, já que o acadêmico pode conhecer um pouco mais sobre a universidade. “No primeiro ano é tudo novo, as coisas são apresentadas para gente e a gente fica meio perdido no começo, mas as expectativas são as melhores possíveis, pois é a profissão que a gente escolhe e tudo isso é gratificante para a gente poder estudar numa universidade pública, sem pagar nada e de qualidade”, afirma.

A recepção, além de ser uma forma de acolhida, também é o momento de apresentar aos novos acadêmicos as oportunidades de tornar a formação ainda mais completa por meio não só do ensino, mas também, da pesquisa e da extensão. “Esperamos que esse aluno se engaje não só na graduação, mas em projetos de extensão, em projetos de pesquisa e que essas oportunidades complementem a formação dele. E daqui a quatro ou cinco anos, quando formados, eles devolvam a comunidade um conhecimento, um preparo profissional excelente”, ressalta o professor Osmar.

Informações despertaram a atenção dos calouros (Foto: Coorc)

As atividades extensionistas, por exemplo, segundo a diretora de Extensão da universidade, professora Paula Choproski Sandan, permitem que o acadêmico leve os conhecimentos adquiridos no curso para a comunidade desde o primeiro ano de graduação. “O aluno que faz extensão universitária, ele sai da universidade de uma forma diferenciada. Ele vai ter esse contato com a comunidade, com o público, vai poder colocar em prática os seus conhecimentos adquiridos na graduação”.

A professora Paula ainda apresentou aos calouros as ações culturais desenvolvidas na universidade. “A parte cultural é aberta também para comunidade acadêmica, então, na forma de oficinas de música, teclado, piano, o próprio coral da Unicentro, que eles podem estar participando. Além do Programa Multicultural de Línguas, que eles têm oportunidade de fazer quatro idiomas aqui na Unicentro, que é o francês, o alemão, o espanhol e o inglês”, explica.

O convite para a pesquisa ganhou ênfase no discurso do pró-reitor de Pesquisa e Pós-Graduação, professor Marcos Ventura Faria. Ele também aproveitou a oportunidade para incentivar que os acadêmicos continuem a formação já que hoje, só no campus Cedeteg, são nove programas de pós-graduação em funcionamento. “Foi feito um convite para participar dos nossos programas, principalmente, o programa de iniciação científica, que são os programas em que os alunos podem participar, anualmente, junto a um professor para desenvolverem um projeto de pesquisa”.

Conhecer um pouco mais sobre as possibilidades de agregar qualidade à formação animou Liryã Pochapski, acadêmica do curso de Enfermagem. Para ela, participar dos projetos de extensão e pesquisa pode abrir portas, por exemplo, para um futuro intercâmbio. “Eu acho muito importante pelo fato de que a gente já vai estar se preparando para intercâmbio e os projetos ajudam muito a gente para se, a gente quiser, fazer uma residência ou algo do tipo”.

A Unicentro, de acordo com o Ministério da Educação, é a 28ª melhor universidade do Brasil e a 7ª melhor entre as universidades estaduais do país. A boa colocação nesses rankings é resultado da dedicação dos dirigentes da instituição, servidores, docentes e alunos. Por isso, para o professor Fábio Hernandes, diretor do campus Cedeteg, a recepção também foi o momento de reforçar aos novos estudantes a responsabilidade de cada um na busca para que a nossa universidade seja cada vez mais reconhecida. “Nós esperamos que todos os nossos ingressantes de 2019 continuem nos auxiliando, continuem buscando uma posição ainda melhor para nossa universidade, continuem nos auxiliando em prol do ensino superior e em prol da educação do nosso país”, finaliza.

Avatar

Deixe uma resposta