Diversidade de idiomas marca a Noite Multicultural

Diversidade de idiomas marca a Noite Multicultural

Uma noite embalada por diversos idiomas. Foi assim a Noite Multicultural promovida pelo Programa Multicultural de Línguas da Unicentro, o Promul. O evento integrou o Encontro Anual de Extensão Universitária, o Eaex, como uma forma de expandir os conhecimentos culturais dos alunos dos cursos de língua estrangeira da nossa universidade. “O intuito principal, além de poder abrir as línguas estrangeiras para fora da sala de aula, é a divulgação desse programa que é extensionista aqui na universidade, a gente veio com o intuito de demonstrar qual é a função da extensão em relação a sociedade”, explica o professor Felipe Soares, coordenador pedagógico do Promul.

A noite multicultural começou com uma roda de conversa com estudantes latino-americanos de mestrado que, assim como a colombiana Joliett Gonzalez, compartilharam suas experiências conhecendo outra cultura. “Está sendo uma experiência gratificante, cheia de coisas para aprender da cultura e para crescer pessoalmente. Eu gostaria também que todo mundo, se tiver a oportunidade, saia para fora do país e conheça outras culturas, porque eu creio que ajuda muito a enriquecer tanto acadêmica quanto pessoalmente”.

Os participantes ouviram atentos os relatos dos intercambistas, que também falaram sobre a rotina em seus países, mostrando um conteúdo que está além da sala de aula. Isso, segundo a professora Gabrieli Borges, que ministra as aulas de espanhol no Promul, contribui para a formação dos alunos. “É muito enriquecedor para os nossos alunos terem esse contato com pessoas de países que falam a língua que eles estão tentando aprender. Nós contamos, inclusive hoje, com pessoas que são de diferentes regiões do mesmo país, e aí eles percebem como a língua é rica, como a cultura pode ser plural, mesmo que de um mesmo idioma”, afirma.

A cultura suábia foi bem representada pelo jornalista e escritor Klaus Pettinger, que fez um bate-papo sobre seu livro “O sumiço do hanomag”. “Foi uma forma didática que eu encontrei de falar um pouco mais sobre a cultura suábia, dos suábios do Danúbio, que são as famílias que deram origem ao distrito de Entre Rios”. E quem também veio de Entre Rios foi o grupo “Os piá”, da Fundação Cultural Suábio-Brasileira. Os meninos são regidos pela professora de música Tânia Bona Keller. “A gente resolveu criar esse grupo para oportunizar o tocar do instrumento deles. Daí a gente aproveita e faz um rockzinho assim mais moderno, em alemão”, conta.

Deixe uma resposta