Comunidade universitária participa animada do Arraiá do Campus Santa Cruz

Comunidade universitária participa animada do Arraiá do Campus Santa Cruz

Barraquinhas montadas e decoração por toda a parte. A  festa estava pronta para começar e, dessa vez, com um temperinho diferente. Isso porque, além de celebrar a tradição das festas juninas e julinas, o Arraiá deste ano do Santa Cruz entrou no clima da Copa do Mundo. Para isso, como conta a professora Christine Vargas Lima, vice-diretora da unidade universitária, foi armado um telão para que a partida entre Brasil e Bélgica, pelas quartas de final , pudesse ser acompanhada lance a lance. “Os acadêmicos, professores e funcionários aderiram a ideia e é mais um atrativo para a nossa festa”.

Festa tem organização dos estudantes com apoio do Campus (Foto: Márcio Nei dos Santos)

Mesmo com a seleção brasileira sempre atrás no placar, a torcida aproveitou o telão e torceu até o último minuto. Com o tempo passando, a frustração foi ficando para trás e as brincadeiras típicas da festa junina ajudaram a melhorar o astral. O estudante de Jornalismo Gustavo Dusi, por exemplo, passou um tempo na cadeia. “Ou fico dez minutos aqui, ou tenho que pagar dois reais, ou beijar alguém para sair daqui”, conta.

As atrações foram o detalhe final para a festa começar de verdade. O público que foi até o Arraiá conferiu apresentações musicais, performances de dança e até uma encenação teatral de O auto da compadecida. As apresentações foram bastante diversificadas, abrindo espaço para o rock da banda Truman, liderada pelo Felipe Staciaki. “A Universidade tem essa característica da diversidade e uma banda tocando rock na festa junina é uma forma de promover isso”.

Independente do estilo musical, o público respondia dançando. O estudante Gabriel Moreira não fez distinção e mostrava animação em todas as músicas. “Eu gosto de todo tipo de festa, que seja animada a gente está animando elas e dançando junto”.

E não existe festa junina sem as guloseimas. O cardápio ia de pratos típicos dessa época a outros nem tanto. Os bolos, os espetinhos, a tapioca e o pinhão dividiram o espaço com o cachorro quente, as tortas e a pizza. E, é claro, não podia faltar o quentão para esquentar. O professor Konstantin Rodigheri aprovou o que comeu. “A primeira coisa foi a pizza. Estava boa, bem gostosa. Quentão também, uma delícia. E agora que estamos no espetinho”.

Um detalhe interessante sobre o Arraiá é que as barquinhas ficam a cargo dos alunos. O dinheiro arrecadado com as vendas e as brincadeiras fica para os estudantes. Uma das turmas que se organizou foi o segundo ano de Pedagogia. Victoria Henrard e as colegas ficaram responsáveis por vender os bolos na festa. “A gente decidiu pegar esse dinheiro para quando tiver alguma excursão da faculdade alugar o ônibus”, explica. Além das turmas, as atléticas também tiveram barracas na festa.

E com quase oito horas de duração, o terceiro Crraiá do Campus Santa Cruz deixou boa impressão. “A festa, mais uma vez, está maravilhosa. Ela é um sucesso e não só pelo dia do evento, mas por toda a organização, a preparação feita pelos acadêmicos”, comemorou o diretor da unidade, professor Ademir Fanfa Ribas.

Deixe uma resposta