Mostra de Danças do curso de Educação Física celebra a diversidade de ritmos

Mostra de Danças do curso de Educação Física celebra a diversidade de ritmos

Basta o palco e a plateia para que comece o espetáculo. Olhares atentos, bailarinos a postos. É a Mostra de Danças de Educação Física distribuindo ritmos e estilos pela Unicentro. O evento, que é realizado anualmente, em 2017 trouxe uma nova proposta: a integração dos acadêmicos da Faculdade Guairacá. “Os dois cursos têm a disciplina de metodologia da dança. Os dois cursos promovem coreografias. Então, porque não juntar tudo num evento só?”, explica a professora Verônica VOlski, organizadora da Mostra pela Unicentro.

Alunos das duas instituições de ensino se revezaram no palco do Auditório Francisco Contini. Ao todo, foram 10 apresentações. E para muitos, a noite era de estreia, como para a estudante Carla Larissa da Silva. “A gente está na flor da pele para apresentar logo. Nos preparamos bastante para trazer uma apresentação bem bonita e agradável para todos”, conta a aluna do curso de Educação Física da Faculdade Guairacá.

Carla e as colegas presentearam a plateia com um ritmo popular brasileiro, o carimbó. Mas na mostra de danças teve espaço para valsa, tango, K-pop e salsa. “Foi muito agradável estar lotado de pessoas que nos receberam dessa forma”, comemora o acadêmico de Educação Física da Unicentro, Victor Mota, depois de coreografia empolgar a plateia.

Variedade de ritmos chamou a atenção da plateia da Mostra de Danças 2017 (Foto: Coorc)

Além das coreografias apresentadas pelos estudantes, o evento contou com a apresentação de três estúdios de dança de Guarapuava. Luiz Rafael Mercheori faz parte de um deles e ficour contente por participar de um evento que reúne tantos ritmos. “Eu danço há oito anos e fico muito feliz em ver esse público todo querendo ver mais da arte, mais dos estilos de dança que têm aqui em Guarapuava. Isso é valorização”.

Para os organizadores do evento, o objetivo também foi promover uma maior interação entre os acadêmicos e os dançarinos profissionais, como conta a professora Daiane Grando. “Eles já têm uma vivência muito grande em dança e os acadêmicos podem ter esse contato com algo mais profissional”, ressalta.

E o público que acompanhou, elogiou a iniciativa. Emerson Lustoza veio assistir a apresentação do filho, que é acadêmico da Unicentro, e ressaltou que atividades como essa são uma forma de valorização da cultura. “Muito legal porque traz vários países, estilos e tribos e isso que faz engrandecer a nossa cultura também”.

Deixe uma resposta