UNICENTRO – Degradação de corantes e tratamento de efluente têxtil por processo redutivo utilizando lã de aço comercial seguido de processo oxidativo

Ana Carolina Ferreira Figueiredo

Data da defesa: 22/03//2019

Banca:
Dra. Kelly Geronazzo Martins – UFPR – Primeira Examinadora

Dr. Carlos Magno de Sousa Vidal – UNICENTRO – Segundo Examinador
Dra. Kely Viviane de Souza – Orientadora e Presidente da Banca

Resumo:
As indústrias têxteis se destacam como uma das principais poluidoras dos recursos hídricos, estando entre as que mais utilizam água (>100 Lkg-1 de tecido produzido) e que, como consequência, geram uma grande quantidade de efluentes líquidos (250 a 350 m3ton-1 de produto acabado). O efluente gerado é caracterizado por ser de complexa e variável composição e intensa coloração, devido a presença de corantes. Os sistemas de tratamento convencionais geralmente adotados pelas indústrias têxteis, são ineficazes para a degradação efetiva destes compostos. Neste contexto, é proposto no presente trabalho, a integração do processo redutivo utilizando lã de aço comercial como fonte de ferro metálico (Fe0), combinado com processos oxidativos, na degradação de corantes (Azul Reativo 19, Laranja 16 e Preto 5) e no tratamento de efluente têxtil. Inicialmente, o efeito das variáveis preditórias (pH e massa de lã de aço) no processo redutivo para descoloração dos corantes e do efluente têxtil, foram estudadas por meio de um planejamento fatorial completo de experimentos 32. Com o processo em pH 7 e 10 g de lã de aço, pode-se obter 40% de redução de área espectral total e 70% da redução da cor dos corantes, em 45 minutos. Com a geração de 15 mgL-1 de ferro solúvel no processo redutivo, a combinação com processo oxidativo do tipo foto-Fenton, foi obtido a eliminação quase total dos compostos intermediários e completa remoção da cor residual dos corantes em 30 minutos. No tratamento do efluente têxtil, o processo redutivo empregado em pH natural do efluente (pH 7 e com 8 gramas de lã de aço), proporcionou reduções de 54% de DQO, 78% de COT, 37% de cor verdadeira e 58% de fenóis totais do efluente têxtil em 30 minutos em sistema em batelada; já em sistema em fluxo contínuo o processo redutivo permitiu reduções de 68% de DQO, 46% de COT, 62% de cor verdadeira e 72% de fenóis totais do efluente. No entanto, apresentou como inconveniente o aumento da cor aparente e turbidez do efluente, devido as espécies de ferro que são formadas a partir da oxidação da lã de aço durante o processo. Os processos combinados mostraram ser uma alternativa eficiente para obtenção de um efluente apto em relação aos parâmetros DQO e fenóis totais para lançamento em corpo receptor de acordo com as legislações ambientais vigentes, e remoção superior a 90% de cor verdadeira. Estudos de toxicidade aguda frente ao indicador biológico Daphnia magna, comprovaram a eliminação/redução da toxicidade do efluente têxtil após processo redutivo e combinado. Apesar de todos os estudos tenham sido realizados em escala laboratorial, os resultados sugerem que o processo redutivo combinado com processo oxidativo, pode ser considerada uma alternativa eficiente, podendo ser empregado no tratamento de efluentes oriundos somente da etapa de tingimento e também no tratamento do efluente final da indústria têxtil.

Link: Ana Carolina Ferreira Figueiredo

Avatar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *