Unicentro realiza III Terceiro Encontro de Nanociências e Biociências

Unicentro realiza III Terceiro Encontro de Nanociências e Biociências

A nanotecnologia está presente no nosso dia a dia de diversas maneiras – de medicamentos a dispositivos eletrônicos. Os avanços obtidos nessa área nos últimos anos têm contribuído significativamente para o aumento do bem-estar da população. Por isso, a atualização e o aprofundamento do conhecimento envolvendo a nanotecnologia têm se tornado cada vez mais necessários.

Para atender a essas demandas e oportunizar uma ampla discussão sobre o tema foi realizado, na Unicentro, o III Encontro em Nanociências e Biociências, coordenado pela professora Rubiana Mainardes. “Falar de Nanociências é bastante importante porque ela tem sido prioridade nos últimos anos na área de investimentos, justamente porque ela é uma área multidisciplinar. Então, a gente pode falar de nanociências na agricultura, na química, na medicina, na área de materiais, na área de cosméticos. Ela tem uma ampla gama de aplicações e resultados já bem comprovados, isso faz com que o incentivo à nanotecnologia, nos últimos anos, tenha sido bastante aprimorado”.

O evento disponibilizou 80 vagas para estudantes de graduação, pós-graduação, professores e pesquisadores. Nesta edição, os participantes puderam conferir três palestras. Uma delas foi proferida pela professora Maria José Soares Mendes Giannini, da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, a Unesp. A palestra intitulada Ventos de Mudança abordou o atual cenário da pesquisa da área de materiais, que tem relação com a pós-graduação ofertada pela Unicentro, e as mudanças na forma de avaliação pela Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoas de Nível Superior).

Encontro reuniu professores, pesquisadores de graduação e pós-graduação (Foto: Coorc)

Maria José também destacou a importância da ciência para o desenvolvimento social. “Trago, também, a parte da própria Capes, para que vocês, de alguma maneira, vislumbrem  como é que nós estaremos sendo avaliados, as novas métricas, o que vai estar, aí, de alguma maneira, sendo trabalhado. Quando se fala em ciência, nós temos que hoje procurar também o impacto além do intelectual, também o impacto social. Então, o que isso faz com que nós tenhamos que olhar para fora da Universidade, olhar o público, olhar o nosso entorno e olhar as cidades onde nós estamos e toda essa população que precisa da gente”.

O superintendente de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Paraná, Aldo Nelson Bona, também foi um dos palestrantes do Encontro de Nanociências e Biociências. Ele apresentou aos participantes uma análise comparativa sobre o cenário da ciência e da inovação no Paraná em relação ao cenário nacional e aos desafios locais. 

“Trouxe alguns dados que nos permitem compreender como está o Paraná hoje em termos de ciência, tecnologia e inovação, em termos de qualidade do ensino superior, comparativamente a outros estados brasileiros, e como está o estado do Paraná em relação ao resultado desse conhecimento que produz, em que medida isso tem permitido avanços em geração de negócios, em geração de riquezas. Acho que o desafio maior de toda a sociedade, hoje, é pensar como a gente pode resolver problemas como a fome, que ainda existe, pessoas passam fome inclusive no nosso estado, que é o maior produtor de alimentos do mundo. Então, há situações em que a ciência precisa envolver-se com a solução dos problemas locais e regionais”, afirma Bona.

A mestranda do programa de Pós-Graduação em Nanociências e Biociências Bruna Muller foi uma das participantes do encontro. Para ela, a importância de eventos como esse está na oportunidade de atualização.”O profissional é feito de atualização. Então, você tem que estar em constante estudo, em constante busca de informação. Esses eventos assim trazem outras vertentes, outras faces da nanociência em outros locais e como que está a nanociência no Brasil e no estado. Isso é muito importante”.

Esta edição do encontro também comemora o início do Programa de Pós-Graduação em Nanociências e Biociências, que está em atividade desde abril deste ano, após aprovação pela Capes. O vice-reitor da Unicentro, Vitor Hugo Zanette, destacou a importância do programa e de eventos como o encontro para a universidade e, também, para a região. “Em especial essa área de ponta, área extremamente moderna, área que está sendo debatida no mundo todo e, agora, também aqui na nossa universidade. Então, isso valoriza ainda mais a pós-graduação da nossa universidade, propicia que gente de fora, inclusive, venha discutir com a universidade, com nossos professores, nossos pesquisadores, que a pesquisa de ponta também saia aqui de dentro da nossa Unicentro. É uma alegria muito grande para a universidade. Estamos felizes e contentes que mais um curso nosso é efetivado”.

Avatar

Deixe uma resposta