Animais taxidermizados estão em exposição no campus de Irati

Animais taxidermizados estão em exposição no campus de Irati

O campus de Irati está desenvolvendo atividades ligadas à Semana Nacional do Meio Ambiente. Os animais taxidermizados, que costumam ficar no Museu de Geociências da universidade, vão ficar expostos por alguns dias na parte interna e externa da Biblioteca. O objetivo, de acordo com a diretora do Museu, Ana Maria Charnei, é incentivar a preservação da fauna na região.

“Eu usei animais que são aqui da nossa floresta, da nossa região porque eu achei que ia ser mais fácil para os visitantes entenderem que o ser humano é o transformador do ambiente em que ele vive. Se a gente não tiver esse cuidado, daqui a pouco, vai ser a única maneira da gente ver esses animais, nessa forma taxidermizados. A maioria desses animais que estão aqui hoje já estão em risco de extinção, eu selecionei algumas espécies – o nosso amigo bugio, por exemplo, já está vulnerável, está ameaçado de extinção”, conta Ana Maria.

A mostra foi idealizada pelas estagiárias da Biblioteca, Marilene Damaceno de Meira e Kellen Albuquerque. Marilene contou que evento nasceu da vontade de usar o conhecimento para conscientizar o público que visitar a exposição. “Essa parceria surgiu da gente estar interligando os setores dentro da universidade. Então, o Museu de Geociências tem um conhecimento muito rico para passar para os nossos universitários, como também ao público que vem prestigiar. Hoje, é um tema muito importante já que o nosso planeta está precisando muito dessa conscientização”.

Os primeiros visitantes da exposição foram os alunos do 4º ano da Escola Rural Municipal Genny Schumanske Küller, que fica em Angaí, distrito de Fernandes Pinheiro, município vizinho de Irati. A estudante Adriane Borcath Naumann, de nove anos, já saiu da visita sabendo direitinho como preservar o meio ambiente. “A gente estava estudando sobre o meio ambiente na aula de ciências e é a mesma coisa que ela falou para a gente, que não podia jogar lixo no meio ambiente”, explica a menina.

Os alunos da escola vieram acompanhados de professoras e da diretora Inês Kuc Küller, que achou a experiência muito enriquecedora na medida em que as crianças puderam relacionar a exposição de animais ao conteúdo das aulas. “Com certeza, eles vão trazer muito conhecimento e o professor vai estar fazendo esse respaldo com o que eles aprenderam aqui, através da palestra com a professora e também fazendo um intercâmbio com o que eles já aprenderam sobre os animais”.

Exposição segue aberta até essa quarta (Foto: Coorc)

Os visitantes aprenderam como os animais são empalhados e refletiram sobre a necessidade de cuidar da fauna e da flora, para que possamos ter a oportunidade de ver essas espécies ainda vivas na natureza. Além disso, a bibliotecária do campus Irati, Carmen Pegoraro, ajudou os jovens estudantes a pesquisar sobre o meio ambiente nos livros do acervo da universidade. “Tudo que eles aprenderam aqui hoje, o manuseio de como tirar um livro da estante, como pesquisar, eu acho que é um crescimento dentro da escola sem dúvidas e na vida particular deles, porque hoje eles são alunos, mas não deixam de ser cidadãos”, avalia.

A exposição de animais taxidermizados fica aberta até essa quarta-feira, cinco. “Qualquer pessoa pode visitar o espaço da Biblioteca para conferir um pouco do acervo do Museu de Geociências da Unicentro e aproveitar para refletir sobre a importância da preservação do planeta, que é nossa casa, mas que também é a casa de todos os outros seres vivos”, convida Ana Maria.

Avatar

Deixe uma resposta