24 professores da Unicentro são contemplados com bolsa produtividade

24 professores da Unicentro são contemplados com bolsa produtividade

Para que as atividades de pesquisa sejam contínuas nas universidades brasileiras, que são responsáveis por mais de 90% da ciência desenvolvida no país, os docentes precisam contar com o suporte financeiro de órgãos de fomento. Esse apoio vem através de editais e chamadas públicas variadas – algumas voltadas para a aquisição de materiais, outras para a remuneração dos envolvidos nas pesquisas. Uma das principais iniciativas nessa área, já que é um reconhecimento dos resultados obtidos pelo pesquisador, é o Programa de Bolsas de Produtividade em Pesquisa, Desenvolvimento Tecnológico e Extensão.

A Unicentro tem professores contemplados com o apoio nas duas versões do programa – a nacional, conferida pelo CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico); e a estadual, ligada à Fundação Araucária de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Paraná. No âmbito do edital paranaense, neste ano, são 11 os docentes da Unicentro que contarão com as bolsas para desenvolver suas atividades: Evandro Vagner Tambarussi e Itacir Eloi Sandini, na área de Ciências Agrárias; Maria Cleci Venturini, na área de Linguística, Letras e Artes; Luiz Paulo Gomes Mascarenhas e Daiana Novello, em Ciências da Saúde; Silvio Roberto Stefano, Marcos Roberto Kuhl e Sandro Rautemberg, em Sociais Aplicadas; Ana Lúcia Crisóstimo, Carla Luciane Blum Vestena e Ana Lúcia Suriani, em Ciências Humanas.

A professora Ana Lúcia concorreu na Modalidade B da Fundação Araucária, que é voltada para o Desenvolvimento Tecnológico e que, pela primeira vez, incluiu a Extensão. Para a docente, a aprovação é motivo de alegria e um incentivo para continuar o desenvolvimento das atividades junto à comunidade. “Eu acho que esse apoio é essencial. Isso mostra, também, uma valorização não só da pesquisa, mas com a extensão porque na extensão a gente está o tempo inteiro com a comunidade, a gente precisa desse estímulo e incentivo para continuar realizando os projetos que a gente já desenvolve e, normalmente, a gente via muito este incentivo para pesquisa. Então, é algo novo e que valoriza também a extensão do nosso Estado”.

O auxílio repassado pelo órgão de fomento do governo federal, o CNPq, tem como objetivo valorizar os pesquisadores brasileiros com perfil e projetos voltados ao desenvolvimento tecnológico, à indução e à disseminação de inovação e empreendedorismo de base tecnológica. As bolsas de produtividade são divididas em duas categorias. Na categoria Produtividade em Pesquisa foram contemplados dez docentes da Unicentro: Cacilda Rios Faria, Eduardo da Silva Lopes, Jackson Kawakami, Jó Klanovicz, Luciano Farinha, Marcelo Marques Lopes Müller, Marcos Ventura Faria, Renato Vasconcelos Botelho, Rubiana Mainardes e Sueli Pérsio Quináia.

O projeto que garantiu a renovação da bolsa produtividade para o professor Marcos é relacionado ao melhoramento genético do milho e, de acordo com o pesquisador, está sendo desenvolvido há mais de dez anos na universidade. Para ele, a renovação da bolsa é uma validação dos resultados já alcançados e um incentivo para a continuidade da pesquisa. “É bastante reflexo da continuidade da produção científica porque, nesse tipo de chamada, o quantitativo e o qualitativo da produção científica são o que mais pesa na verdade. Então, é um indicativo de que a gente está conseguindo manter a produção científica, reflexo principalmente das orientações, resultado das teses e dissertações e, também, de trabalhos da iniciação científica. Então, isso é um reflexo que o nosso trabalho está tendo uma continuidade, uma qualidade e um quantitativo também de uma maneira constante”, afirma.

Na categoria Produtividade em Desenvolvimento Tecnológico e Extensão Inovadora outros três docentes da Unicentro foram contemplados com bolsas de produtividade pelo CNPq: Everson do Prado, Najeh Maissar Khalil e Paulo Rogério Pinto Rodrigues. Para o professor Paulo, estar entre os contemplados é motivo de comemoração. Além da renovação da bolsa, ele festeja a passagem de categoria, de PQ2 para PQ1. “É um grande reconhecimento ter um projeto aprovado para renovação da bolsa produtividade onde se passou de 2 para 1”.

O professor Marcos, que além de bolsista-produtividade é pró-reitor de Pesquisa e Pós-Graduação da Unicentro, avalia a concessão de bolsas para pesquisadores da universidade como resultado do amadurecimento da pesquisa na instituição, englobando a própria produção científica e o engajamento na formação de recursos humanos. “O número de bolsistas produtividade reflete, também, a qualidade e o investimento que a universidade e, vamos dizer assim, o grau de maturidade da universidade no desenvolvimento de pesquisa. Então, acho que é importante, muito importante para a universidade porque esse quantitativo também entra nos índices, nos vários rankings que classificam a universidade”.

Avatar

Deixe uma resposta