Unicentro promove primeiro encontro preparatório do Congresso Internacional de Americanistas

Unicentro promove primeiro encontro preparatório do Congresso Internacional de Americanistas

Além das ações alicerçadas no tripé ensino, pesquisa e extensão, a Unicentro atua também em outra perspectiva, a da internacionalização. Nesse viés, tem ganhado destaque na universidade o trabalho realizado, nos últimos anos, pelo grupo de pesquisa Conversas Latinas em Comunicação, que tem estreitado relações com instituições de ensino superior latino-americanas. Foram essas parcerias que permitiram que os líderes do grupo congregassem universidades da tríplice fronteira Brasil-Argentina-Paraguai para formatar e apresentar a candidatura para a organização do próximo Congresso Internacional de Americanistas, o ICA, no ano de 2021, na cidade de Foz do Iguaçu.

O congresso teve início há 150 anos e é realizado de três em três anos. A edição desse ano teve como sede a Universidade de Salamanca, na Espanha, e recebeu 7.000 pesquisadores do mundo todo, que investigam o espaço latino-americano a partir de perspectivas diversas. Três meses depois da escolha da Unicentro como organizadora do próximo ICA, o grupo de pesquisa, liderado pelo professor Marcio Fernandes, do Departamento de Comunicação Social, realizou a primeira reunião técnica, em Guarapuava. “O grupo que está mais a frente do congresso está buscando entender detalhes operacionais, detalhes financeiros, da construção da programação científica. O segundo ponto é nós apresentarmos para nossos parceiros internos – da pós-graduação, da graduação, dos setores pedagógicos da universidade -, porque, de modo geral, muitos conhecem o congresso mais não têm detalhes, como que participa afinal”.

A reunião técnica teve como tema “Novas fronteiras para a cooperação científica universitária sul-sul e sul-norte” e contou com a participação do secretário da comissão permanente da ICA, professor Francisco Sanches, da Universidade de Salamanca. “É um congresso multidisciplinar. Então, temos questões de antropologia e literatura, questões em ciências políticas e sociais. Contar com uma estrutura tão heterogênea necessita que aconteçam reuniões como esta, onde se vão programar uma série de acontecimentos que vão suceder e se vem prevendo como acontecerá o congresso no futuro”, explica.

O secretário-geral da ICA participa do encontro preparatório (Foto: Coorc)

A reunião também contou com a participação de parceiros latinos na organização do ICA 2021, como o professor Jorge Kullemeyer, da Universidade Nacional de Jujuy, na Argentina. “Essas associações entre universidades ajudam que a população do mundo acadêmico, a partir de suas faces, trabalhem de maneira conjunta, com objetivos comuns e aprendendo um com o outro, conhecendo-se. Todos estamos aprendendo muito um com o outro. E salvando as distâncias e as diferenças, são experiências muito positivas para todos”, avalia o argentino.

Outra apoiadora do ICA 2021 é a Uniminuto, instituição de ensino superior colombiana, representada na reunião pela sua vice-reitora, a professora Yeldy Rodrigues. “Temos interesses comuns e vamos ter grandes oportunidades de nos unirmos. Isso vai resultar muito bem para todos e, definitivamente, a união é a força e a forma que devemos proceder agora e sempre quando optamos pelo desenvolvimento latino-americano”.

Para a edição 2021 do ICA são esperados, segundo o professor Marcio Fernandes, representantes de 70 países e, aproximadamente, 10.000 pesquisadores. “O ICA é um universo de oportunidades, antes, durante o evento e depois. Ele não é apenas um congresso. Então, quem perceber essa dimensão pode colher frutos enquanto pesquisador e enquanto líder de um grupo de pesquisa. Nós estamos quase três anos do evento e já estamos nos preparando. O lançamento oficial será em maio de 2019, que é quando abre o primeiro prazo para submissão de proposta de grupos de trabalho”, detalha o coordenador do Grupo de Pesquisa Conversas Latinas em Comunicação.

Deixe uma resposta